Últimas

Outras Matérias

Mais Matérias informativas

17 doenças raras e estranhas estudadas pela ciência


Raridades médicas

Você sabia que algumas pessoas acreditam que estão mortas? Ou que outras têm uma mão com vida própria? Além de bizarras, ambas as descrições são sintomas de doenças extremamente raras que atingem uma pequena porção da sociedade.

A galeria a seguir apresenta estas e outras síndromes que amedrontam muitas pessoas. Nela, você verá as principais causas e os tratamentos sugeridos peloscientistas. Vale lembrar: se você é hipocondríaco esta galeria pode lhe deixar um pouco assustado. O aviso foi dado. 

1.Síndrome de Alice no País das Maravilhas

Há 150 anos, o livro “Alice no País das Maravilhas”, escrito por Lewis Carroll, foi publicado e encantou milhões de pessoas no mundo. Em 1955, 90 anos depois da primeira impressão do best-seller, o psiquiatra John Todd descobriu que alguns de seus pacientes tinham as mesmas experiências vividas pela personagem da obra.

Eles sentiam que os objetos ao seu redor eram desproporcionalmente grandes ou pequenos. Além disso, eles tinham alucinações comparáveis a de um usuário de LSD, como a falta de noção de tempo. As sensações podiam ocorrer várias vezes ao dia e durar de minutos a semanas. 

Leitor assíduo de Carroll, Todd chamou a síndrome de “Alice no País das Maravilhas”, mas muitos a também chamam de Síndrome de Todd. A doença está associada a tumores cerebrais e ao uso de drogas psicoativas, como cogumelos alucinógenos e LSD. No entanto, sua principal causa é a enxaqueca. A síndrome afeta, geralmente, crianças e adultos que têm dores de cabeça constantes. 

A doutora Sheena Aurora, uma neurologista especialista em enxaqueca da Universidade de Stanford, foi a primeira cientista a fazer uma ressonância magnética no cérebro de uma pessoa durante uma das crises. De acordo com Aurora, em entrevista ao The New York Times, a atividade elétrica da doença causava um fluxo sanguíneo exagerado nas partes do cérebro que controlam a visão, a forma e o tamanho.

O tratamento para a síndrome é muito parecido com o da enxaqueca. O paciente precisa ingerir muitos líquidos, comer comidas leves, descansar em algum local escuro e tomar remédios para a dor de cabeça. 

2.Transtorno de Pica

A denominação vem do latim e significa "pega", um pássaro conhecido por comer tudo que vê pela frente. Como o animal, quem sofre desse mal ingere substâncias não-comestíveis, desde vômito, fezes e sangue até pedra, madeira e cabelo, por mais de um mês.

Claro que comer coisas tão estranhas pode causar problemas sérios para as pessoas com o transtorno. Por exemplo, intoxicação por chumbo pode resultar da ingestão de pintura ou gesso e o consumo de bolas de pelo podem causar obstrução intestinal.



Os cientistas ainda não sabem o que causa o Transtorno de Pica. Porém, muitos acreditam que ela está ligada a traços culturais. Pessoas em alguns países da África e da China consomem terra devido à falta de alimentos ricos em ferro, por exemplo.

Outros pesquisadores pensam que o transtorno está ligado a doenças psíquicas, como a esquizofrenia. Geralmente, mulheres grávidas e crianças com problemas de crescimento desenvolvem o Transtorno de Pica.

A doença pode ser tratada de várias maneiras, dependendo do que a pessoa ingeriu. Geralmente, o paciente só precisa mudar a dieta, pois está faltando algum tipo de específico de vitamina no corpo.

3.Delírio de Capgras

Já imaginou ver seu pai e acreditar piamente que ele é, na realidade, um impostor? É esta ilusão que é fabricada na mente de quem tem o delírio de Capgras. A doençafoi descrita pela primeira vez em 1923 por Jean Marie Joseph Capgras e Jean Reboul-Lachaux.

Também chamada de síndrome de Capgras, o mal envolve erros de identificação a respeito de pessoas, lugares ou objetos. Confundida com a esquizofrenia, ela pode ocorrer de forma aguda, passageira ou grave.

As causas do delírio ainda não foram encontradas. Porém, um artigo dos psicólogos Hadyn Ellis e Andy Young, levanta a hipótese de que a capacidade de reconhecimento das pessoas com a síndrome funciona normalmente. No entanto, elas podem ter danificado a sua habilidade emocional de reconhecer seres humanos.



Segundo o artigo publicado no British Journal of Psychiatry, os pacientes têm a sensação de que conhecem o indivíduo, mas sentem que há algo errado com este amigo ou cônjuge.

O tratamento indicado é a terapia individual para tratar os delírios. Além disso, medicamentos antipsicóticos são utilizados para enfraquecer a doença. 

4.Síndrome de Stendhal

Você já ficou encantado com uma pintura ou uma paisagem natural? Calma, isto não significa que você está doente. Porém, se você sente taquicardia, tonturas e até alucinações quando está observando uma obra de arte com características marcantes, talvez você tenha a Síndrome de Stendhal.

A doença foi pela primeira vez descrita pelo escritor Marie-Henri Beyle (que usava o pseudônimo Stendhal), em 1817. Em seu livro “Nápoles e Florença: uma jornada de Milão ao Reggio”, ele conta sua experiência com o fenômeno quando foi visitar a Basílica de Santa Croce. O escritor sentiu palpitações e nervosismo quando viu os afrescos do pintor Giotto.

Após 170 anos da publicação do livro, a psiquiatra italiana Graziella Magherini encontrou evidências de que o surto emocional do escritor era uma doença. Ela examinou 107 pessoas que visitaram a cidade de Florença, na Itália, e que tiveram as mesmas reações que Stendhal ao observar obras de arte.

Ela disse que as vítimas da síndrome são, geralmente, homens e mulheres solteiros entre 26 e 40 anos, que estão viajando sozinhos. Além disso, mais da metade dos hospitalizados em seu estudo tiverem contato prévio com um psicólogo ou psiquiatra. Segundo Magherini, em entrevista ao The New York Times, os pacientes se recuperam após alguns dias de descanso.

5.Síndrome de Diógenes

Diógenes de Sínope foi um filósofo grego que representava o cinismo, uma corrente que prega o desapego aos bens materiais. Ele levava muito a ério a filosofia e, por isso, vivia em um barril e tinha apenas uma túnica, um cajado e uma tigela.

Você deve imaginar que as pessoas que sofrem da Síndrome de Diógenes devem ser como o filósofo: desapegados. No entanto, esse epônimo tem sido criticado por duas razões, segundo um artigo do Jornal Brasileiro de Psiquiatria: quem tem a doença acumula objetos e tende ao isolamento por ser desconfiado e não por desejar ser autossuficiente.

Assim, a síndrome é uma desordem caracterizada por extremo autoabandono, retraimento social, apatia e acumulação compulsiva de lixo. Estudos ainda não são conclusivos com relação as causas da doença.

No entanto, muitos cientistas acreditam que a síndrome é uma reação ao estresse. Além disso, eles perceberam que indivíduos que sofreram danos no cérebro, especialmente no lobo frontal, podem adquirir Diógenes com mais facilidade. Isso acontece pois essa área cerebral está envolvida com o raciocínio, a tomada de decisão e ao controle de conflitos.

Geralmente, a síndrome ocorre entre os idosos. Segundo o Jornal Brasileiro de Psiquiatria, a síndrome de Diógenes “é uma condição grave que requer uma abordagem multiprofissional”.

6.Síndrome de Paris

Ir à Paris pode ser um sonho para a maioria das pessoas. Porém, para algumas pessoas, a cidade da luz traz experiências ruins à memória. O paciente com a Síndrome de Paris tem delírios, alucinações, sentimentos de perseguição, ansiedade e taquicardia quando visita à capital da França e outros lugares da Europa ocidental.

Ainda não se sabe as causas da doença, mas muitos cientistas acreditam que ela é, na realidade, uma experiência de choque cultural. Esta hipótese está calcada no fato de que a maioria das pessoas que têm a síndrome são asiáticos, principalmente japoneses, que estão conhecendo a cultura ocidental pela primeira vez.

Assim, pelos sintomas serem passageiros, o mal não necessita de tratamento. O que o paciente precisa fazer é ir embora da cidade o quanto antes.

7.Síndrome da Mão Alheia

Já imaginou não ter controle nenhum sobre a sua mão? Ela lhe bate, soca e belisca sem que você queira que isto aconteça. Esse é o dia-a-dia de quem sofre da Síndrome da Mão Alheia. A doença é definida como um distúrbio neurológico no qual a mão do paciente parece possuir vida própria.

Extremamente raro, o mal afeta pessoas que precisaram fazer cirurgias de separação dos hemisférios cerebrais – tratamento para pacientes com epilepsia. Além disso, indivíduos que sofreram acidentes vasculares cerebrais (AVC) também podem adquirir a doença.

Segundo o médico Michael Mosley, em entrevista à BBC, o cérebro das pessoas que têm a síndrome está em constante luta. Um cérebro normal possui dois hemisférios conectados pelo corpo caloso.

Geralmente, o lado esquerdo do cérebro tem a palavra final nas ações que realizamos. Assim, diferentemente de um cérebro normal, os hemisférios das pessoas que sofrem da síndrome são separados e têm consciência própria.

Ainda não foi encontrada uma cura para a Síndrome da Mão Alheia.

8.Síndrome do sotaque estrangeiro

Relatada pela primeira vez em 1907 pelo neurologista francês Pierre Marie, a síndrome do sotaque estrangeiro é um distúrbio da fala. Ela faz com que o paciente nativo comece a falar com um sotaque estrangeiro. Por exemplo, um brasileiro que tem a doença começa a falar português com o sotaque de um americano.

O grupo de suporte a pessoas que tem a síndrome da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, afirma que adoença é, geralmente, causada por danos ao cérebro, como acidentes vasculares cerebrais e lesões cerebrais traumáticas. Além disso, a esclerose múltipla e a desordem de conversão podem ser outras causas da síndrome.

Por ser uma doença muito rara, não existe uma cura óbvia. Testes psicológicos e ressonâncias magnéticas precisam ser feitos para encontrar qual parte do cérebro foi danificada para depois trata-la.

De acordo com um artigo publicado na revista Cortex, entre 1941 e 2009, foram registrados somente 60 casos desta síndrome em todo o mundo.

9.Síndrome do cadáver ambulante

Populares nos filmes de terror, os zumbis só existem mesmo na tela do cinema e na nossa imaginação. Algumas pessoas acreditam tanto na existência desses seres que creem que são um deles.

A Síndrome de Cotard, também conhecida como síndrome do cadáver ambulante, é uma condição psicológica raríssima descoberta em 1880 por Jules Cotard. Ela faz com que a pessoa acredite piamente que está morta. Além disso, o paciente também acha que seus órgãos estão necrosados e que seus amigos e familiares não existem mais.



A causa desta doença está relacionada à depressão pois, pessoas com a síndrome, apresentam problemas na amígdala, uma região cerebral que processa emoções. Outra parte do cérebro afetada pelo mal é o giro fusiforme. Ele é responsável pelo reconhecimento de rostos.

O tratamento para a síndrome do cadáver ambulante deve ser feito a partir de antidepressivos e sessões de terapia eletroconvulsiva (choques elétricos).

10.Síndrome da excitação permanente

Imagine a situação: "é o enterro do seu pai e você está ajoelhado ao lado do caixão, se despedindo para sempre dele. De repente, tem nove orgasmos. Bem aí, com a família toda de pé atrás de você". Esta situação foi descrita por Dale Decker, um americano que tem mais de 100 orgasmos por dia, para a BBC.

Ele tem uma doença rara, conhecida como Síndrome da Excitação Sexual Persistente. O mal afeta apenas mulheres (Decker é o primeiro caso masculino documentado) e causa uma excitação espontânea e persistente nos órgãos genitais, que nem sempre resulta em orgasmo. Detalhe: não tem nenhuma relação com sentimentos de desejo sexual.

O mal foi documentado pela primeira vez em 2001 pela médica americana Sandra Leiblum. Segundo a especialista Francisca Molero, em entrevista à BBC, entre 400 e 500 pessoas em todo o mundo têm a doença.

Pouco se sabe sobre as causas da síndrome. Porém, os cientistas acreditam que ela é causada por uma irregularidade em nervos sensoriais ou por alterações psicológicas.

Não existe cura para o distúrbio, porém ele pode ser controlado com anestésicos locais, antidepressivos para controlar a ansiedade e tratamento hormonal anti-androgénico.

11.Síndrome de Riley-Day

Você até pode querer não sentir dor quando fratura alguma parte do seu corpo. Contudo, a dor é uma qualidade sensorial fundamental para a sobrevivência do ser humano. Sentir dor significa que algum dano ou lesão está ocorrendo e isto permite que mecanismos de defesa ou fuga sejam adotados.

Apesar de necessária para a nossa existência, algumas pessoas não sentem dor. Elas têm a síndrome de Riley-Day, uma doença hereditária que afeta o desenvolvimento dos neurônios sensoriais, simpáticos e parassimpáticos do sistema nervoso. Além da falta de sensibilidade à dor, os pacientes com o mal têm febre, pneumonia e desmaios frequentes.

A doença afeta de 1 a 9 pessoas a cada um milhão de nascimentos. No entanto, a síndrome é mais frequente em judeus oriundos da Europa Central e do Leste Europeu. Como o paciente sofre de vários problemas, ele precisa de um tratamento completo conta convulsões, cirurgias para consertar ossos quebrados e remédios para gripes e outros tipos de vírus.

As pessoas com a Síndrome de Riley-Day vivem, em média, 30 anos.

12.Síndrome de Lobisomem

Este é outro ser que existe apenas nos filmes. No entanto, existem pessoas que podem adquirir características físicas parecidas com um lobisomem. Elas possuem hipertricose, uma doença popularmente chamada de Síndrome de Lobisomem, que cobre o rosto e outras partes do corpo de uma pessoa com pelos. 

O mal é tão raro que apenas 100 casos foram documentados em todo o mundo. Por isso, pouco se sabe sobre a doença. A única informação que oscientistas têm é que ela é uma mutação genética e hereditária. O tratamento que se mostrou mais eficaz, até agora, é a depilação a laser.

13.Coprolalia

Você se lembra da mulher que falava palavras obscenas involuntariamente no filme Gigolô por Acidente (1999)? Ela tinha a Síndrome de Tourette, um distúrbio neuropsiquiátrico caracterizado por tiques múltiplos, motores ou vocais. No entanto, ela também apresentava uma característica que apenas 10% dos pacientes com a síndrome têm: a Coprolalia.

Quem tem Coprolalia não consegue controlar a fala e pronuncia palavrões ou observações socialmente inapropriadas. O nome do distúrbio vem do grego Copros (fezes) e Lalia (falar).

Os cientistas ainda não sabem a causa da doença, apenas que ela é hereditária. Além disso, não existe cura para Coprolalia, porém o paciente pode fazer um tratamento com Botox nas cordas vocais. Ele não impede que o paciente fale as obscenidades, mas que controle o volume do que que é vocalizado.

14.Síndrome de Charles Bonnet

Esta doença acomete apenas pessoas com cegueira parcial ou grave. Os pacientes com a Síndrome de Charles Bonnet têm alucinações visuais nítidas, coloridas e silenciosas. Geralmente, os distúrbios podem durar poucos minutos até horas.

Segundo o Instituto Real Nacional de Cegos, no Reino Unido, antes se pensava que o distúrbio desaparecia dentro de 12 a 18 meses após a primeira alucinação. Contudo, foi constatado que os pacientes com a doença ainda sentem os sintomas cinco anos após eles iniciarem.

A origem do nome da síndrome data de 250 atrás, quando o filósofo Charles Bonnet descreveu as alucinações sofridas pelo seu avô cego. Ainda não se sabe o que causa os sintomas da doença e não existe tratamento para síndrome.

15.Síndrome de Ekbom

Você já sonhou que milhares de insetos infestavam seu corpo? Algumas pessoas têm esta sensação com certa frequência. Elas são portadoras da Síndrome de Ekbom, também chamada de delírio parasitose. O indivíduo acredita que sua pele foi invadida vermes, pulgas, ácaros e outros bichos. As alucinações são, geralmente, táteis e visuais.

O delírio acomete idosos e mulheres com maior frequência. Ele está relacionado com transtornos psíquicos, alterações cerebrais e ao uso de drogas. Aliás, a síndrome já foi chamada de “inseto da cocaína”, pois os usuários desta droga sentem os sintomas da doença com frequência.

Ainda não existe um único tratamento para o distúrbio. Geralmente, os pacientes recebem medicações similares às das pessoas com esquizofrenia.

16.Síndrome de Jerusalém

Esta é, provavelmente, uma das síndromes mais conhecidas desta galeria. Os principais sintomas são delírios e ideias obsessivas com temática religiosa. Mas detalhe: ela só acomete pessoas que visitam a cidade deJerusalém. Apesar de atingir mais judeus e cristãos, a Síndrome de Jerusalém pode ser diagnosticada em indivíduos de qualquer religião.

Similar à Síndrome de Paris, a doença foi descrita pela primeira vez em 1930 pelo psiquiatra Heinz Herman. Ele notou que muitos turistas que visitavam Jerusalém agiam de uma forma estranha e delirante.

A ciência ainda não sabe o que pode causar as alucinações. No entanto, para se curar da doença, a pessoa só precisa sair da cidada sagrada.

17.Delírio de Fregoli

Similar à Síndrome de Capgras, o Delírio de Fregoli é um transtorno de identificação. Isso significa que os pacientes identificam pessoas, objetos e lugares de maneira patologicamente errada.

No caso da síndrome de Fregoli, o indivíduo tem a ilusãode que diferentes pessoas são, na realidade, apenas uma pessoa que se disfarça para persegui-lo. Geralmente, o paciente diagnosticado com o distúrbio acredita que a perseguição está associada a assassinatos, sequestros ou, até, abdução por alienígenas.

O distúrbio tem este nome em homenagem ao ator italiano Leopoldo Fregoli, famoso por capaz de encenar vários personagens na mesma peça. A síndrome foi pela primeira vez relatada em 1927 por Paul Corbon e G. Fail. Existem quatro causas para a doença se manifestar em alguém.

A primeira é o traumatismo craniano. A segunda são lesões no lobo temporal e no giro fusiforme (região cerebral que armazena informações sobre reconhecimento visual). A terceira causa é o tratamento à base de Levodopa, um remédio utilizado para tratar o Mal de Parkinson e a distonia de dopamina. A última é a amplitude anormal da memória de trabalho no cérebro.

O tratamento da doença é feito a partir de antipsicóticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.

Morre aos 82 anos o neurologista e escritor Oliver Sacks

Oliver Sacks: em carta, descreveu sua vida como um "privilégio" e "uma aventura"
Da EFE

O neurologista e escritor britânico Oliver Sacks morreu neste domingo em sua casa de Nova York (EUA), aos 82 anos, informou o jornal "The New York Times".

O popular escritor, que ficou famoso com livros como o "O homem que confundiu sua mulher com um chapéu", usava seus casos clínicos, pacientes e as doenças que tratava para refletir sobre a consciência e a condição humana.

Sacks morreu devido ao câncer que já estava enfrentando há alguns anos, confirmou ao "The New York Times" sua assistente pessoal, Kate Edagr. Em artigo publicado em fevereiro no mesmo jornal, Sacks, nascido em Londres, anunciou que um melanoma em seu olho tinha se propagado para o fígado e que estava em fase terminal.

Sua infrequente popularidade entre os cientistas lhe permitiu vender mais de 1 milhão de exemplares só nos Estados Unidos. Inclusive, seu livro "Despertares" (1973), sobre um grupo de doentes com casos raros de encefalite, foi levado aos cinemas em 1990, sendo protagonizado por Robin Williams e Robert De Niro.

Em sua despedida dos leitores, o autor e popular cientista escreveu: "Há um mês, me encontrava bem de saúde, francamente bem. Aos meus 81 anos, seguia nadando um quilômetro e meio todos os dias. Mas minha sorte tinha um limite: pouco depois, soube que tenho metástases múltiplas no fígado".

"Há nove anos descobri no olho um tumor pouco frequente, um melanoma ocular. Apesar da radiação e do tratamento de laser que me submeti para eliminá-lo terem me deixado cego desse olho, é muito raro que esse tipo de tumor se reproduza. Pois bem, pertenço aos infelizes 2%", acrescentou.

"Devo decidir como viver os meses que me restam. Tenho que vivê-los da maneira mais rica, intensa e produtiva que eu possa. Devo dar prioridade ao meu trabalho, a meus amigos e a mim mesmo. Vou deixar de ver o jornal da televisão todas as noites. Vou deixar de prestar atenção na política e nos debates sobre aquecimento global. Não é indiferença, mas sim distanciamento", acrescentou na carta aos leitores.

Sacks descreveu sua vida como um "privilégio" e "uma aventura". Ao concluir a carta de despedida publicada pelo jornal nova-iorquino, disse que não podia fingir que não tinha medo, mas afirmou que "o sentimento que predomina é a gratidão".

Autoridades de Serra Leoa confirmam nova morte por ebola

Ebola: na última segunda-feira, o último paciente conhecido com ebola havia recebido alta do hospital


Freetown - Autoridades de saúde de Serra Leoa confirmaram neste domingo mais uma morte por ebola no país, menos de uma semana após o último paciente conhecido ser liberado do hospital.

O dr. Brima Kargbo afirmou que testes realizados no corpo de uma mulher de 67 anos que morreu recentemente acusaram a presença de ebola. A mulher era do distrito de Kambia, no norte de Serra Leoa.

Na última segunda-feira, o último paciente conhecido com ebola havia recebido alta do hospital, um marco para a nação da África Ocidental, que começava a contagem de 42 dias para ser declarada como livre de contaminação por ebola.

Kargbo afirmou que as autoridades ainda tentam determinar se a mulher infectada em Kambia morreu antes ou depois do início da contagem.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que surto de ebola, o pior da história, matou cerca de 4 mil pessoas em Serra Leoa. Fonte: Associated Press.

Dieta da 'Barriga Lisa' promete acabar com gordura abdominal

A Dieta da Barriga Lisa ou Flat Belly Diet é um programa alimentar para quem deseja diminuir a circunferência abdominal e o inchaço da barriga.

De acordo com o U.S. News, ela consiste basicamente em consumir alimentos ricos em ácidos graxos monoinsaturados, como castanhas, sementes, chocolate, abacate e azeite. 

Esses alimentos devem estar presentes nas três principais refeições do dia. Além disso, quem deseja seguir a dieta deve consumir até 1.600 calorias diárias. 

Frutas e vegetais em geral, grãos integrais e carnes magras também fazem parte do cardápio. 

O programa, no entanto, precisa ser feito em duas partes: uma que dura quatro dias e é voltada para combater o inchaço, e outra que dura quatro semanas. 

A dieta promete secar seis quilos em 32 dias e óbvio que precisa estar atrelada também a um estilo de vida saudável com a prática de exercícios diários e a ingestão de muita água.

Fumaça de incenso pode ser mais tóxico do que a fumaça de cigarro

© Fornecido por Notícias ao Minuto

Depois de vários estudos já terem indicado que a fumaça da queima do incenso pode ser cancerígeno, uma nova investigação indica que o incenso pode ainda ser mais perigoso para a saúde do que os cigarros.

O estudo da Universidade de Tecnologia do Sul da China comparou os riscos para a saúde do uso de incenso em ambientes fechados com os efeitos do cigarro no organismo, testando o efeito de ambas em amostras da bactéria Salmonela e células do ovário de hamsters.

A conclusão, publicada na Environmental Chemistry Letters e consultada pelo jornal Metro, indica que as propriedades químicas do fumo de incenso são mais citotóxicas, ou seja, causam maiores danos às células, e podem causar mutações genéticas no DNA e originar tumores.

Para o responsável pelo estudo, Rong Zhou, só ainda não é possível concluir com toda a certeza que a fumaça de incenso é mais tóxico do que o do cigarro porque a amostra avaliada é muito pequena, se comparada com a imensa variedade de produtos disponíveis no mercado.



Estados Unidos desenvolvem medicamento injetável contra o colesterol

© Fornecido por Notícias ao Minuto

A agência reguladora de saúde dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês), aprovou na última quinta-feira (27) um remédio injetável criado para o tratamento de pessoas que sofrem de colesterol alto. Segundo a agência de notícias France Press, o Repatha, chamado també, de evolocumab, é fabricado pelo laboratório Amgen e faz parte de uma nova classe de medicamento inibidor de PCSK9, anticorpos que atuam no fígado para baixar o colesterol.

O remédio deve ser utilizado por pacientes que possuem um alto de nível de LDL, o “colesterol ruim”, no sangue, ou que, com artérias obstruídas, possam vir a ter doenças cardíacas. Novo aliado no combate às enfermidades cardíacas que matam aproximadamente 610.000 pessoas anualmente nos Estados Unidos, o medicamento, mostrou estudo, reduziu em 60% os níveis de LDL em pessoas que o tomaram por 12 semanas.

"O Repatha dá uma outra opção de tratamento a pacientes com hipercolesterolemia familiar diagnosticada ou com doença cardiovascular que não tenham conseguido reduzir o colesterol LDL com as estatinas", disse John Jenkins, diretor do Instituto de Novas Drogas do Centro de Avaliação e Pesquisa sobre Drogas.

Apesar da eficácia, a droga pode ter efeitos colaterais fortes, como problemas respiratórios, gripe e dor nas costas.


Cetoconazol

Luíse Lopes (Farmacêutica)

Bula de Cetoconazol

Cetoconazol é um medicamento antifúngico, conhecido comercialmente como Nizoral. Ele é encontrado em forma de comprimidos para a administração, em forma de creme dermatológico ou de shampoo, sendo eficaz contra doenças de pele, como caspa e micoses.

Indicações do Cetoconazol

Cetoconazol oral: candidíase vaginal; candidíase oral; candidíase disseminada; pano branco; caspa; micose da pele.
Cetoconazol Creme (tópico): candidíase cutânea; Tinea corporis;Tinea cruris; pé de atleta; pano branco
Cetoconazol Shampoo: Pano branco, dermatite seborreica e caspa

Preço do Cetoconazol

O preço do cetoconazol comprimidos varia entre R$ 3 e R$ 57, dependendo da quantidade de comprimidos por caixa;

O preço do cetoconazol shampoo varia entre R$ 14 e R$ 28, dependendo da região;

O preço do cetoconazol creme dermatológico varia entre R$ 15 e R$ 58, dependendo da região.

Efeitos colaterais do Cetoconazol

Uso oral: Vômito; náusea; enjoo; dor abdominal; diarreia.

Uso tópico: Coceira; irritação local; sensação de picadas.

Uso capilar: Queda de cabelo; irritação; mudança na textura do cabelo; coceira; pele seca; oleosidade ou secura do cabelo; feridas no couro cabeludo.

Contraindicações do Cetoconazol

Gravidez risco C; mulheres em fase de lactação; doença hepática aguda ou crônica; hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.

Modo de uso do Cetoconazol

Uso oral

Adultos

Candidíase vaginal: Administrar de 200 a 400 mg de Cetoconazol, em dose única diária, durante 5 dias.
Pano branco: Administrar 200 mg de Cetoconazol, em dose única diária, por um período de 5 a 10 dias.
Outras indicações: Administrar 200 a 400 mg de Cetoconazol, em dose única diária.
Deve ser administrado junto com uma refeição.

Crianças acima de 2 anos

Até 20 kg: Administrar 50 mg de Cetoconazol (1/4 do comprimido), em dose única.
De 21 a 40 kg: Administrar 100 mg de Cetoconazol (metade do comprimido), em dose única.
Acima de 40 kg: Administrar 200 mg de Cetoconazol (comprimido inteiro), em dose única.
Deve ser administrado junto com uma refeição.

Uso tópico

Adultos: Aplicar o creme nas regiões afetadas 1 vez ao dia; por, aproximadamente, 2 a 4 semanas.
Crianças: Eficácia e segurança não estabelecidas.
Devem ser praticadas medidas de higiene para auxiliar no controle de fatores de contaminação e reinfecção.

Uso capilar

Adultos: Aplicar o shampoo, deixando agir por 3 a 5 minutos antes de enxaguar. Dermatite seborreica e caspa: 1 aplicação, 2 vezes por semana, por 2 a 4 semanas.
Crianças: Eficácia e segurança não estabelecidas.

Domperidona (Motilium)

A domperidona é um medicamento para tratar a má digestão, a náusea e os vômitos de adultos e crianças, por períodos inferiores a uma semana.

Este medicamento pode ser encontrado com os nomes comerciais de Motilium, Peridal ou Peridona ou como genérico e, é produzido pelos laboratórios Medley, EMS, Eurofarma, por exemplo, sob a forma de comprimidos ou suspensão oral.
Preço da Domperidona

O preço da domperidona varia entre 6 e 45 reais dependendo da dosagem da fórmula.
Indicações da Domperidona

A domperidona está indicada para pacientes com refluxo gástrico, esofagite, eructação, flatulência, náuseas e vômitos, azia, queimação no estômago.

Este medicamento permite a passagem mais rápida do alimento pelo esôfago e pelo estômago, impedindo que ocorra o refluxo.
Modo de uso da Domperidona

A domperidona deve ser tomada 15 a 30 minutos antes das refeições. Também pode ser ingerida após as refeições, porém, a sua absorção é menor.

Para adultos e adolescentes com peso superior a 35 Kg, é indicado 10 mg até 3 vezes ao dia, por via oral. Já em doentes pediátricos ou com menos de 35 Kg, é de 0,25 mg/kg de peso corporal até 3 vezes por dia, oralmente.
Efeitos colaterais da Domperidona

Normalmente, a domperidona não causa quaisquer efeitos secundários, porém, em alguns casos pode provocar dor de cabeça, sonolência, diarreia, erupção cutânea, urticária, cólica, aumento das mamas em homens.

Em casos especiais, pacientes anteriormente tratados com neurolépticos como, clorpromazina, haloperidol, levomepromazina, pimozida, pipotiazina, reserpina, sulpirida ou hipersensíveis à domperidona podem apresentar espasmos musculares localizados ou generalizados.
Contraindicações da Domperidona

A domperidona está contraindicada para pacientes com intolerância conhecida à domperidona ou a qualquer um dos seus excipientes, em casos de hemorragia gastrintestinal e tumor hipofisário secretor de prolactina

A administração em conjunto de domperidona e cetoconazol, um medicamento utilizado para tratar infeções fúngicas é contraindicada. Durante a gravidez e a amamentação não existem estudos que comprovem a sua eficácia, devendo ser evitado o seu uso. N\ao devem ser ingeridos por doentes com insuficiência hepática grave ou moderada ou doentes que tenham alterações alterações no ritmo cardíaco.

Além disso, o medicamento não deve ser utilizado para outras indicações, como distensão abdominal e azia.

Candidíase

Dra. Sheila Sedicias (Ginecologista)

A candidíase é uma infecção causada pelo fungoCandida albicans que provoca o surgimento de coceira intensa, vermelhidão ou placas brancas, afetando, principalmente, a boca e os órgãos genitais de homens ou mulheres.

Normalmente, este tipo de fungos vive no organismo humano, mas o sistema imune é capaz de evitar o seu desenvolvimento. Porém, quando existe enfraquecimento das defesas corporais, como após uma gripe ou durante a gravidez, o seu crescimento pode estar facilitado, causando uma infecção.

A candidíase tem cura e o seu tratamento pode ser feito com pomadas ou remédios antifúngicos que eliminam os fungos que estão provocando a candidíase. Veja um tratamento caseiro para candidíase.

Fotos de candidíase
Candidíase na região da boca

Candidíase na região genital

Sintomas de Candidíase

Os sintomas da candidíase variam de acordo com o local onde surge, mas podem incluir:

Dor e coceira na região afetada;
Placas brancas e cremosas na boca;
Vermelhidão na pele;
Mau cheiro no local afetado;
Corrimento branco e espesso.

Os sintomas de candidíase masculina podem também provocar inchaço da glande do pênis e dor durante o contato íntimo.

A transmissão da candidíase pode acontecer por contato direto, através do contato íntimo, por exemplo, no entanto, esta é uma situação rara que só acontece quando o indivíduo tem o sistema imune enfraquecido, permitindo o desenvolvimento dos fungos.

Candidíase na gravidez

A candidíase na gravidez é um problema muito frequente, que surge devido ao aumento de corrimento vaginal, assim como enfraquecimento do sistema imune da grávida.

Normalmente, a candidíase na gravidez não provoca alterações no feto, mas a gestante deve consultar o ginecologista para iniciar o tratamento adequado e evitar que o fungo seja transmitido para o bebê durante o parto vaginal.

O tratamento para candidíase na gravidez pode ser feito com o uso de remédios, como Anfotericina ou Nistatina, sob indicação do obstetra, e a grávida deve utilizar roupas de algodão, evitar roupa íntima apertada, ter boa higiene e fazer uma alimentação equilibrada.

Como tratar a candidíase

O tratamento para candidíase deve ser orientado por um ginecologista, urologista ou dentista, mas, normalmente é feito com uso de remédios orais, pomadas antifúngicas ou dieta adaptada, de acordo com a região afetada.

Assim, os remédios para candidíase em forma de pomada, como Candicort ou Fluconazol, devem ser utilizados na candidíase genital e aplicadas 2 a 3 vezes por dia, até 14 dias, de acordo com a indicação do médico.

Além disso, durante o tratamento da candidíase é recomendado:

Evitar roupas íntimas que não sejam de algodão;
Lavar a região genital somente com água e sabonete neutro ou próprio para a região;
Sempre que possível, dormir sem roupas íntimas;
Evitar absorventes internos;
Manter boa higiene oral, escovando os dentes, pelo menos, 3 vezes por dia;
Evitar comer alimentos ricos em gordura e açúcar.

No caso da candidíase oral ou recorrente, o médico pode recomendar a ingestão de remédios orais, como Fluconazol ou Itraconazol, e uma dieta pobre em açúcares, lacticínios e carboidratos.

Varíola

A varíola é uma doença infecciosa grave e muito contagiosa, provocado por um vírus e que pode causar morte. Esta doença é caracterizada pela febre alta, dores no corpo, vômitos intensos e aparecimento de bolhas na pele que ulceram e formam cicatrizes que podem desfigurar o corpo dos pacientes.

A varíola não tem cura, podendo ser prevenida com a toma de vacina contra a varíola. Quando ocorre infecção, o tratamento é limitado e a sua ação consiste em reduzir os sintomas da doença. Em alguns casos, podem ser receitados antibióticos para prevenir o aparecimento de infecções bacterianas oportunistas que surgem nos indivíduos com varíola por terem o sistema imune fragilizado.


O vírus da varíola é o Orthopoxvírus variolae​ que infecta o organismo dos indivíduos, crescendo e multiplicando nas células do corpo. As células contaminadas ficam resistentes às defesas naturais do corpo, permitindo o agravamento da doença.


Fotos da Varíola

Fonte: Centers for Disease Control and Prevention

Vacina para Varíola

A vacina para a varíola previne o aparecimento da doença e ajuda a curá-la ou reduz as suas consequências, caso seja administrada até 3-4 dias após o paciente contrair a infecção. Porém, se os sintomas da doença já tiverem surgido, a vacinação pode não ter efeito. 


A vacina para varíola não faz parte do calendário básico de vacinação no Brasil, pois a doença foi considerada irradicada há mais de 30 anos. Porém, os militares e profissionais de saúde podem solicitar a toma da vacina para prevenir possível contágio.
Sintomas da Varíola

Os sintomas da varíola surgem cerca de 14 dias após infecção pelo vírus da varíola e podem ser:

Febre alta;
Bolhas cheias de pus, que podem estourar e provocar sangramento, coceira intensa e dor;
Dores musculares no corpo;
Vômitos intensos;
Náuseas;
Dores de barriga;
Dor de cabeça;
Diarreia;
Delírio.

As bolhas surgem inicialmente na região da boca, espalham-se rapidamente pelo resto do corpo. 

O risco de cegueira pelo acometimento da córnea e morte por broncopneumonia é grande, bem como aparecimento de doenças infecciosas oportunistas, já que os indivíduos infectados estão com o sistema imune muito fragilizado. 

Transmissão da Varíola

A transmissão da varíola se dá por inalação ou contacto com saliva de indivíduos doentes, podendo ser também transmitida através de roupa de uso pessoal ou roupas de cama. Geralmente, é mais contagiosa na primeira semana da infecção, porém pode continuar a ser contagiosa até que as feridas na pele cicatrizem e percam a casca. 

Existem duas formas de varíola: varíola major, a forma da doença mais grave que pode ser fatal, ou varíola minor que apresenta sintomas mais brandos e raramente causa morte. 

A prevenção da varíola é feita através da toma de vacina contra a varíola ou evitando contato com indivíduos contagiados ou objetos que estejam em contato com doentes.

Isso é o que acontece quando você olha fixamente nos olhos de alguém por 10 minutos

Um psicólogo na Itália descobriu como induzir um estado alterado da consciência sem a necessidades de drogas, pedindo para 20 voluntários se sentarem e olharem nos olhos um dos outros por 10 minutos em linha reta em um quarto mal iluminado. Não só a tarefa aparentemente simples trouxe estranhas experiências ‘fora do corpo’ para os voluntários, como também lhes fez ver alucinações de monstros, parentes, e a si mesmos no rosto de seu parceiro.

O experimento, dirigido por Giovanni Caputo, da Universidade de Urbino, envolveu 20 adultos jovens (15 dos quais eram mulheres) em uma sala mal iluminada a 1 metro de distância um do outro, e olhar nos olhos de seu parceiro por 10 minutos. A iluminação do quarto foi o suficiente para os voluntários verem facilmente as características faciais de seu parceiro, mas baixa o suficiente para diminuir a sua percepção geral de cores.

Um grupo de mais 20 voluntários foi convidado a se sentar e olhar fixamente durante 10 minutos em outra sala mal iluminada em pares, mas suas cadeiras estavam enfrentando uma parede em branco. Os voluntários foram pouco orientados sobre a finalidade do estudo, só que ele tinha a ver com uma “experiência meditativa com os olhos abertos”.

Uma vez que os 10 minutos se passaram, os voluntários foram convidados a preencher questionários relacionados com o que eles experimentaram durante e após o experimento. Um questionário centrou-se sobre quaisquer sintomas dissociativos que os voluntários possam ter experimentado, e outro questionou-os sobre o que viram no rosto de seu parceiro.

A dissociação é um termo usado na psicologia para descrever toda uma gama de experiências psicológicas que faz uma pessoa se sentir separada do seu entorno imediato. Sintomas como perda de memória, ver tudo em cores distorcidas, ou sentir-se como se o mundo não fosse real pode ser causado por abuso e trauma; drogas como a quetamina, álcool e LSD; e agora, aparentemente, olhar por muito tempo nos olhos de alguém.

“Os participantes do primeiro grupo disseram ter tido uma experiência convincente diferente de tudo que haviam sentido antes”, escreve Christian Jarrett, um dos autores do estudo.

No teste de estados dissociativos, eles deram as classificações mais fortes para itens relacionados à reduzida intensidade de cor, sons parecendo mais calmos ou mais altos do que o esperado, as coisas ficaram espaçadas, e o tempo parecia arrastar-se. No questionário, 90% do grupo concordou ter visto alguns traços faciais deformados, 75% disse ter visto um monstro, 50% disse ter visto os aspectos de seu próprio rosto no rosto de seu parceiro, e 15% disse ter visto um parente.

Descrições dos participantes incluíam enormes deformações de seus próprios rostos, ver os rostos de pais vivos ou falecidos; rostos arquetípicos, como uma velha mulher, criança ou o retrato de um antepassado; rostos de animais, como um gato, porco ou leão; e até mesmo seres fantásticos e monstruosos.

Então, o que está acontecendo aqui? Os cientistas explicam que é provável que tenha a ver com a adaptação neural, que descreve como nossos neurônios podem abrandar ou mesmo parar a sua resposta à estimulação imutável. Isso acontece quando você olha para qualquer coisa por muito tempo – sua percepção vai começar a desvanecer-se até você piscar, a cena muda, ou pode ser corrigida por minúsculos movimentos oculares involuntários chamados microssacádicos. [ScienceAlert]

Farmacêutica compra empresa de “Viagra feminino” por US$1 bi

As vendas do remédio Addyi devem iniciar a partir do último trimestre de 2015 em farmácias e clínicas especializadas

 Poucos dias depois de ter anunciado que passaria a fabricar o “viagra” feminino, a Sprout Pharmaceuticals, Inc foi adquirida pela ValeantPharmaceuticals International, Inc. por 1 bilhão de dólares.

A Valeant anunciou a operação hoje, 20, dois dias depois que a Sprout havia recebido autorização da agência reguladora americana para fabricar o remédio flibanserin, com nome comercial de Addyi.

O remédio foi aprovado para tratar uma condição conhecida como "distúrbio de desejo sexual hipoativo generalizado adquirido (HSDD na sigla em inglês)", que significa a perda da libido.

Segundo a Valeant, “Addyi vem demonstrando melhoras no desejo sexual, reduzindo o estresse causado pela perda da libido".

As vendas do remédio devem iniciar a partir do último trimestre de 2015 em farmácias e clínicas especializadas. A empresa irá oferecer cursos de diagnóstico e prescrição do Addyi nos Estados Unidos.

Cálcio, fósforo e vitamina D não podem faltar na dieta infantil

ALÉM DE CUIDAR OS ALIMENTOS QUE IRÁ OFERECER, É PRECISO ESTAR ATENTO AO PROCESSO DE ABSORÇÃO DOS NUTRIENTES.

Oferecer comidas saudáveis para crianças costuma ser um desafio para os pais. Contudo, consumir alimentos ricos em cálcio, fósforo e vitamina D é fundamental para fortalecer a dentição dos pequenos. A nutricionista materno infantil Alexandra Marinho defende que os alimentos sejam oferecidos de forma criativa e diversificada para as crianças, e também recomenda a prática de exercícios aeróbicos de impacto para estimular a absorção dos minerais. Descubra na galeria o que não pode faltar na dieta do seu filho.

GERGELIM

Um dos alimentos mais ricos em cálcio, o gergelim pode ser facilmente adicionado na dieta das crianças. Uma boa alternativa é oferecer o pão de gergelim, que, por conter fibras, ajuda a evitar a erosão do dente e a sensibilidade. Cada 100 g do grão tem cerca de 825 mg de cálcio.

SARDINHA

Além de ser fonte de cálcio e fósforo, a sardinha também é um alimento rico em vitamina D, que auxilia na absorção desses nutrientes. A cada 100 g de sardinha de conserva em óleo é possível absorver cerca de 550 mg de cálcio e 495 mg de fósforo.

FOLHAS VERDES ESCURAS

Segundo a nutricionista, alimentos ricos em cálcio vegetal, como couve, rúcula e espinafre, têm mais chance de terem o mineral absorvido pelo corpo do que os que possuem cálcio de origem animal, pois não há outros componentes que concorram com o cálcio na hora da absorção.

LEITE

As mais populares fontes de cálcio são o leite e seus derivados. Embora cada 100 g de leite integral de vaca em pó contenha 890 mg de cálcio, seu organismo provavelmente não irá absorver toda essa quantidade de mineral pois o leite tem outras substâncias que competem com o cálcio na hora da absorção, como o ferro e proteínas.

TOFU

Embora tenha um pouco menos de cálcio do que outros tipos de queijo, cerca de 80 mg a cada 100 gramas, o tofu é uma boa alternativa para fortalecer a dentição das crianças que têm alergia ao leite ou intolerância à lactose.

CASTANHA-DO-PARÁ

Conhecida por ajudar a reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o colesterol bom (HDL), a castanha-do-Pará também auxilia no fortalecimento dos dentes porque é fonte de fósforo e cálcio. Ela pode ser oferecida aos pequenos junto a uma salada ou como lanche durante o intervalo das refeições, mas sempre em pequenas porções - saiba que 50g tem 321,5kcal, cerca de 37% do necessário que uma criança de 5 anos deve consumir diariamente.

OVOS

Populares por fazerem bem aos olhos e terem nutrientes com ação antioxidante, os ovos também fazem bem aos dentes, pois 100 g de um ovo com gema cozida tem cerca de 114 mg de cálcio e 386 mg de fósforo. Além disso, o alimento também é rico em vitamina D.

MANJERICÃO

Rico em cálcio e fósforo, o manjericão pode ser utilizado como tempero para outros pratos ou ser incluso na salada. As folhas também podem ajudar a evitar o mau hálito, aliviar dor de dente e inflamações na gengiva.

ATIVIDADES FÍSICAS

Alexandra defende que, além de consumir alimentos ricos em minerais, devemos nos preocupar com a forma pela qual eles serão absorvidos pelo corpo. Para isso, a nutricionista indica a prática de atividades aeróbicas de impacto, como caminhadas ou andar de bicicleta, pois elas estimulam a absorção do cálcio.

Margarina pode aumentar sua chance de ter ataques cardíacos



   Um estudo publicado no British Medical Journal pode mudar tudo que se sabe sobre dietas. Segundo cientistas, não é um regime à base degordura saturada que provoca diabetes e problema cardíacos e, sim, um recheado de gordura trans.

De acordo com a pesquisa, o consumo de gorduras trans está associado a um aumento de 30% no risco de uma pessoa ter ataques cardíacos. Os cientistas também descobriram que as pessoas que mantém uma dieta rica em gorduras trans têm 18% mais chance de morrer dos efeitos de uma doença cardíaca.Devido à utilização desta técnica, os cientistas não puderam responder a todas as questões relacionadas ao assunto. Por exemplo, não havia dados suficientes para determinar se a gordura trans está relacionada a um aumento do risco de diabetes do tipo 2.

Além disso, como as gorduras saturadas são uma classe de compostos, alguns pesquisadores acham que algumas delas são mais saudáveis do que outras. No entanto, é difícil dizer se isso é verdade a partir desta pesquisa, pois os cientistas avaliaram o efeito do consumo de grandes quantidades de gordura saturadas.
Vai e vem de dietasO estudo desbancou uma ideia aceita por vários médicos e nutricionistas. Ele revelou que as gorduras saturadas não estão associadas a doenças cardíacas, derrame, diabetes ou morte precoce.

seus pacientes que era mais saudável comer margarina do que manteiga. Porém, aparentemente, o vilão aqui é a manteiga. A margarina é um dos alimentos que mais possui gorduras do tipo trans.
Nada novo de novoA medida, determinada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), animou muitos médicos. De acordo com o site do hospital Albert Einstein, este tipo de gordura eleva o colesterol ruim (LDL) e diminui o colesterol bom (HDL).

Pesquisas anteriores também descobriram que as gorduras trans podem aumentar o risco de doenças cardíacas e até afetar a memória.

Entendendo a TPM

A TPM ou Síndrome pré-menstrual é o período cíclico que precede a menstruação. Nesse intervalo de tempo, podem aparecer sintomas psíquicos e físicos, que geralmente desaparecem no primeiro dia do fluxo menstrual. Em algumas mulheres, a TPM é interrompida somente com o fim do fluxo.

A principal causa da TPM é a alteração hormonal feminina durante o período menstrual, que interfere no sistema nervoso central. Parece haver uma conexão entre os hormônios sexuais femininos, as endorfinas (substâncias naturais ligadas à sensação de prazer) e os neurotransmissores, tais como a serotonina. É importante ressaltar que essa síndrome acompanha a menstruação normal da mulher.

Fontes:
DICKERSON, Lori M.; MAZYCK, Pamela J.; HUNTER, Melissa H. Premenstrual syndrome. American family physician, v. 67, n. 8, p. 1743-1752, 2003.

GREENE, Raymond; DALTON, Katharina. The premenstrual syndrome. The British Medical Journal, p. 1007-1014, 1953.


SINTOMAS

Os sintomas na TPM podem ser físicos ou emocionais causando desconforto na mulher. As principais características são:

Sintomas Emocionais:
Depressão;
Vontade de chorar;
Irritabilidade;
Ansiedade;
Insônia;
Fome em excesso ou falta de apetite;
Sonolência;
Dificuldade de concentração;
Cansaço.

Sintomas Físicos:
Dor de cabeça;
Acne;
Aumento de peso;
Inchaço nas mamas;
Dores osteomusculares;
Distensão gasosa.

Para caracterizar a TPM não é necessária a ocorrência de todos esses fatores, que devem desaparecer com o fluxo para serem chamados de síndrome pré-menstrual.

Fontes:
Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP

Lima, Geraldo Rodrigues de; Girão, Manoel J.B.C.; Baracat, Edmund Chada. Síndrome pré-menstrual. In: Ginecologia de Consultório. 2003.1ª Edição. P.69. Editora de Projetos Médicos. São Paulo-SP.


DIAGNÓSTICOS

A TPM atrapalha a vida pessoal e profissional de diversas mulheres por todo o mundo todos os meses e essa tensão é gerada por alterações hormonais que antecedem a menstruação. Em geral, os sinais da TPM aparecem na metade do ciclo menstrual e desaparecem em até dois dias após o início da menstruação.

O diagnóstico da tensão pré-menstrual costuma ser demorado, principalmente pela falta de exames que comprovem a sua existência. As mulheres que tem sintomas mais severos passam em diversos médicos e demoram anos para serem diagnosticadas com a combinação de sintomas que condizem com a fase do ciclo menstrual exata para serem diagnosticadas com TPM. Outra questão é que a maioria das mulheres que têm sintomas intensos de tensão pré-menstrual não procura ajuda médica por acreditarem que são normais ou por acreditarem que o médico não dará importância para a sua queixa.

Apesar de não ter diagnóstico e tratamento exatos, a TPM pode ser caracterizada por um quadro de sintomas que podem ser amenizados por meio do tratamento correto. Se você passa por esse sofrimento todos os meses não espere pela sua próxima menstruação, procure o quanto antes um ginecologista, explique seu problema e inicie o melhor tratamento para o seu caso, TPM tem tratamento!



TRATAMENTOS E CUIDADOS

Por se tratar da TPM, não existe um tratamento específico, já que os sintomas variam muito de intensidade para cada mulher. Entretanto, há medidas que aliviam os sintomas.

O melhor caminho para o tratamento da TPM é consultar um médico ginecologista e descrever para ele todos os sintomas que a mulher sente antes e depois da menstruação. O melhor medicamento é o que, sozinho ou associado, reduza os sintomas.

Como essa síndrome está ligada à ovulação, muitas mulheres podem se beneficiar do uso da pílula anticoncepcional, que suspende a ovulação. Nos Estados Unidos, a FDA (Órgão Regulatório dos Estados Unidos) aprovou a pílula com drospirenona e etinilestradiol, para mulheres que têm sintomas de TPM e desejam anticoncepção hormonal.

Já nos casos graves de síndrome disfórica pré-menstrual, é necessária uma medicação mais específica. Atualmente, o tratamento usado com melhores resultados são os antidepressivos. Estudos recentes mostram que essa medicação usada na menor dose possível e durante a fase de tensão pré-menstrual tem melhorado muito a qualidade de vida das mulheres que experimentam essa disfunção. Também nesses casos a pílula anticoncepcional com drospirenona e etinilestradiol pode ser usada.

Resultados não cientificamente comprovados mostram que a vitamina B6 (piridoxina), a vitamina E, o cálcio e o magnésio podem ser usados na melhora dos sintomas. Outro medicamento é o ácido gama linoleico, que é um ácido graxo essencial e pode ser encontrado no óleo de prímula.

Existem advertências sérias do FDA americano a respeito de medicações alternativas naturais e de possíveis efeitos colaterais graves, portanto, esse ou qualquer outro medicamento, mesmo que “natural”, só deve ser usado mediante prescrição médica.

Fonte: Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP


CONVIVENDO

Para muitas mulheres, a TPM pode atrapalhar as tarefas diárias, sejam profissionais ou pessoais. Para amenizar os sintomas da TPM, sugerimos as seguintes dicas:
Realize atividades que proporcionem bem-estar, como passear no parque;
Faça uma atividade física. Pode ser uma caminhada ao ar livre, andar de bicicleta, nadar ou jogar tênis. Isso ajuda a reduzir a tensão e a melhorar a autoestima;
Evite agendar compromissos importantes para os dias que antecedem a sua menstruação;
Procure cuidar de seu corpo, mesmo que você não vá sair de casa. Isso também ajuda a elevar a sua autoestima;
Afaste os pensamentos negativos, seja otimista e mentalize coisas boas;
Procure fazer uma alimentação balanceada com verduras, frutas e legumes;
Diminua o sal. Ele ajuda a desencadear os inchaços, pois contribui na retenção de líquidos;
Redobre os cuidados com a pele. O aumento de oleosidade da pele e surgimento de acnes está relacionado com esse período. Por isso, a boa alimentação é fundamental;
Evite o consumo excessivo de carboidratos e açúcares, como doces, chocolates e amendoim.

Fonte: Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP