Após modelo ter perna amputada, especialista alerta que absorvente sintético pode ser prejudicial à saúde

Ela contraiu a Síndrome do Choque Tóxico e ficou à beira da morte nos Estados Unidos
A vida da modelo Lauren Wasser, de 26 anos, passou por um enorme turbilhão nos últimos anos. Bonita e saudável, ela tinha uma vida de glamour e de projetos. Não pensava em mais nada além de sua rotina entre o trabalho, os esportes e as aulas de teatro, segundo reportagem da revista Vice
Foto: Reprodução/perezhilton.com 

Até que, em 2012, ela contraiu uma doença rara, a síndrome do choque tóxico, cuja sigla em inglês é TSS. O que causou o mal foi uma infecção causada pelo uso de seu absorvente preferido, em um dia que deveria ser mais um entre os vários momentos alegres em sua rotina na época, nos Estados Unidos
Foto: Reprodução/perezhilton.com 

— Tudo (na vida dela) era baseado na aparência. Eu era aquela garota, e eu nem pensava sobre isso
Foto: Reprodução/Instagram 

A infecção quase causou a sua morte. Ao sobreviver, teve, porém, de amputar a perna direita e mudar muita coisa de seu estilo de vida. Agora ela está processando a empresa Kimberly-Clark Corporation, fabricante do produto, denominado Kotex Natural Balance
Foto: Reprodução/Facebook 

Também entrou com ação contra a rede de farmácias que lhe vendeu o absorvente, a Ralph´s, para onde se dirigiu no fatídico dia, quando ela iria à noite a uma festa de um amigo. Segundo a modelo, as empresas não alertaram sobre os perigos do uso do produto, já conhecidos desde os anos 80
Foto: Reprodução 

— Todos sabem que o cigarro pode matar. Quando você fuma, a escolha é sua. Seu eu soubesse sobre a TSS, jamais teria usado (este tipo de) absorventes
Foto: Reprodução/Vice 

Lauren contou que naquele dia trocou o absorvente de manhã, de tarde e à noite. Mas quando foi à festa, passou mal e voltou para casa, na cidade de Santa Monica (Califórnia). Contatou a mãe. No entanto, foi encontrada no dia seguinte por um amigo, que acionou a polícia
Foto: Reprodução/Facebook 

Quase desmaiada no chão do quarto, ela ardia em febre. Os médicos disseram que neste momento ela estava a dez minutos da morte. A moça chegou a ter os órgãos próximos da falência e um ataque cardíaco quando deu entrada no hospital
Foto: Reprodução/Facebook 

A dúvida sobre o que se passava só foi sanada quando um médico descobriu que ela usara o absorvente. Após exames em laboratório ficou comprovado que o material causou o choque de toxicidade
Foto: Reprodução/Facebook 

Segundo o ginecologista Mauro Sancovski, professor titular de obstetrícia da Faculdade de Medicina do ABC, a maioria das infecções neste tema vêm da própria vagina, que é fechada e não tem oxigenação
Foto: Reprodução/Vice 

Mas, sem se referir diretamente ao caso de Lauren, ele afirma ao R7 que produtos sintéticos podem ser prejudiciais.
— Impedem a transpiração e a eliminação de sangue
 Foto: Reprodução/Instagram 

O médico diz que a troca de absorventes é importante, mas a quantidade depende do fluxo que é eliminado pela vagina

— Se o fluxo for intenso, são necessárias duas, três trocas ou até mais. Mas se não há quase fluxo, a mulher pode fazer apenas uma troca Foto: Reprodução/Instagram 

A TSS é uma doença rara, descoberta em 1978, decorrente de infecções causadas pela bactéria Staphylococcus aureus, que, com o acúmulo de sangue menstrual nos absorventes de fibras sintéticas, criava condições favoráveis à sua proliberação
Foto: Reprodução/Facebook 

Costuma causar uma série de disfunções, como febre alta, pressão baixa, vermelhidão, afetando vários sistemas (pelo menos três), como o renal, o hepático e o gastrointestinal. Nos anos 80, devido ao uso deste tipo de absorvente, a síndrome causou a morte de algumas mulheres, quando ficou mais conhecida 
Foto: Reprodução/Facebook 

Hoje, as empresas voltaram a utilizar o algodão como matéria-prima, para evitar esse tipo de ocorrência. A recomendação é que, mesmo com produtos de algodão, haja a troca constante dos absorventes durante o dia, pelo menos por três vezes 
Foto: Reprodução/Instagram 

Em relação a casos de corrimento recorrente, Mauro recomenda que sejam evitados produtos sintéticos, que podem facilitar infecções.

— O indicado para essas situações é usar calcinha de algodão, que absorve melhor, evitando calcinha de nylon, que impede a transpiração. Também o uso de calças jeans, cujo tecido é grosso, não é recomendável Foto: Reprodução/Instagram 

Para Lauren, por um lado, isso é tarde. Por outro, ainda há tempo de, com o seu exemplo, ela buscar a justiça e conscientizar as mulheres da necessidade dos cuidados em relação a este tipo de produto. E à sua correta utilização
— Levei um tempo tentando descobrir se eu ainda tinha valor, se eu ainda era bonita

Foto: Reprodução/Vice

Mundo MS Inc.

Um Mundo De Informações a "1" Click.