No Dia Mundial de Combate ao Câncer, médicos quebram alguns tabus


Apesar do avanço no tratamento do câncer, a doença ainda é temida por muitas pessoas e rodeada de tabus. Por isso, no Dia Mundial de Combate ao Câncer, lembrado nesta quarta-feira (8), Médicos esclarecem o que é mito e o que é verdade sobre a doença. Confira!
Foto: Getty Images 


Sexo oral pode causar câncer na garganta? 

Segundo o oncologista Luiz Paulo Kowalski, diretor do Núcleo de Cabeça e Pescoço do Hospital A.C. Camargo Cancer Center, pessoas que fazem sexo oral desprotegido e têm vários parceiros estão mais sujeitas aos cânceres de orofaringe. 

— O número de casos de câncer na garganta por HPV [papilomavírus humano] vai superar o provocado pelo consumo frequente de álcool e tabaco. Atualmente, em São Paulo, cerca de 50% das pessoas com câncer de orofaringe foram infectadas pelo HPV Foto: Getty Images 


Falta de higiene íntima pode causar câncer no pênis? 

Manter a boa higiene íntima é regra número um para prevenir o câncer no pênis, alerta o urologista Geraldo Eduardo Faria, chefe do Departamento de Sexualidade Humana da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia). 

— Também é importante estender a higiene para os testículos, virilha e ânus. A circuncisão [cirurgia da fimose] é considerada fator de proteção, capaz de reduzir para zero a probabilidade de contrair câncer. Caso isso não ocorra, vale intensificar a higiene para evitar o acúmulo de sujeiras e secreções na região


Silicone causa câncer de mama? 

Assim como o silicone não provoca o câncer de mama, mulheres com próteses devem fazer a mamografia a partir dos 40 anos, alerta a mastologista Maira Caleffi, presidente da Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de apoio à Saúde da Mama). 

— A recomendação é que a mulher que tem implante faça acompanhamento com um mastologista, já que a prótese pode dificultar o diagnóstico da doença por meio da mamografia, pois pode dificultar a visualização de tumores


Obesidade é fator de risco para o câncer? 

Para o cirurgião-oncologista Ademar Lopes, diretor de cirurgia pélvica e vice-presidente do Hospital A.C.Camargo Cancer Center, os maus hábitos são fatores de risco para o aparecimento do câncer. 

— Em 90% dos casos, o câncer aparece em decorrência dos péssimos hábitos de vida, como obesidade, sedentarismo, tabagismo, exposição aos raios solares sem proteção e má alimentação. Por isso, a importância de adotar uma rotina saudável para prevenir o câncer e outras doenças. Além disso, a população tem vivido mais tempo e isso faz com que as pessoas fiquem mais expostas aos agentes de risco Foto: Getty Images 


Usar protetor solar é a principal forma de prevenir o câncer de pele? 

A dermatologista Daniela Lemes, da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), afirma que a principal providência para evitar a doença é não se descuidar ao se expor ao sol. 

― Um dos principais fatores que desencadeiam o câncer de pele é o quanto você se expôs ao sol até os 18 anos, fase em que o DNA está suscetível a transformações. Pessoas com históricos de queimaduras solares (com presença de bolhas e descamação da pele) têm grandes chances de desenvolver a doença, acarretada pelo efeito cumulativo do sol 



O câncer de próstata é mais comum na terceira idade? 

Esse tipo de câncer é mais comum após os 50 anos, mas pode acontecer em pacientes mais jovens, avisa o urologista Carlos Sacomani, do Hospital A.C. Camargo Cancer Center. 

— A doença não tem sintomas nos estágios iniciais, justamente na fase que podemos oferecer um tratamento eficaz e curativo. Por isso, a importância da detecção precoce da doença por meio de exames, como o PSA e o exame de toque


Quais são os cânceres mais frequentes? 

Segundo estimativas do Inca (Instituto Nacional do Câncer), no Brasil, entre os principais tipos de câncer, destacam-se o de pele do tipo não melanoma (182 mil novos casos), seguido pelos tumores de próstata (69 mil), mama feminina (57 mil) e pulmão (27 mil) Foto: Getty Images 


Câncer tem cura? 

O oncologista Amândio Soares Fernandes Junior, da SBC (Sociedade Brasileira de Cancerologia) e diretor da Oncomed Belo Horizonte, avisa que diversos tipos de câncer são potencialmente curáveis, principalmente se detectados na fase mais precoce. 

― Alguns tipos de câncer, mesmo detectados em fases mais avançadas, também são potencialmente curáveis, como por exemplo, o câncer de testículo, coriocarcinoma, linfoma, entre outros. Alguns tipos de câncer, quando identificados em fases mais avançadas, não são passíveis de cura Foto: Getty Images 


O câncer de mama mata? 

De acordo com o Inca, a taxa de mortalidade do câncer de mama é relativamente alta porque a doença ainda é diagnosticada em fase avançada. Por isso a mastologista Maria do Socorro Maciel, diretora do Núcleo de Mastologia do Hospital A.C.Camargo Cancer Center, reforça a necessidade da prevenção. 

— Se a doença for detectada em estágio inicial a chance de cura chega a 90%. Além disso, se o diagnóstico e o tratamento forem adequados, a chance de a outra mama ser atingida é de 0,6% ao ano Foto: Getty Images 


A retirada do seio para tratar o câncer de mama é indicada para todas as mulheres com a doença? 

Nos últimos anos, o tratamento do câncer de mama evoluiu muito e já não preconiza a retirada total do seio após o diagnóstico da doença. Pelo contrário, esta “temida” cirurgia — conhecida como mastectomia — geralmente é indicada em casos mais avançados, ou seja, quando o tumor está muito grande, explica o mastologista José Roberto Filassi, coordenador de Mastologia do Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo). 

— Hoje em dia, entre 60% a 70% das cirurgias de câncer de mama conserva o seio. No caso da necessidade da mastectomia, normalmente o cirurgião faz a imediata reconstrução mamária Foto: Reprodução / BBC

Mundo MS Inc.

Um Mundo De Informações a "1" Click.