Últimas

Outras Matérias

Mais Matérias informativas

Vírus zika pode estar ligado a lesões no cérebro de adultos

Marvin Recinos / AFP
Mosquito: A doença causa inflamação cerebral e sua transmissão envolve mosquitos do gênero Culex

Giovana Girardi e FÁBIO DE CASTRO, do Estadão Conteúdo

Além de lesões no cérebro de bebês, o vírus zika pode estar provocando também problemas no cérebro de adultos. É o que desconfia um grupo de cientistas do Rio, que iniciou um projeto de pesquisa no começo da semana para investigar casos de encefalite (inflamação do cérebro) e de encefalomielite (inflamação também na medula espinhal) que vêm chegando aos hospitais do estado em pacientes que também relataram sintomas de zika.

Os casos que estão sendo investigados chamam a atenção diante de uma revelação feita na semana passada, quando foi noticiado o sequenciamento do genoma do zika, de que o vírus tem proximidade genética com o vírus da encefalite japonesa.

A doença causa inflamação cerebral e sua transmissão envolve mosquitos do gênero Culex. O dado poderá ser útil para que os cientistas entendam melhor a biologia da zika.

O trabalho no Rio, coordenado por pesquisadores do Instituto D'or de Pesquisa e Ensino (Idor) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), visa a verificar se existe a relação entre o vírus e os problemas que estão sendo relatados.

Para isso, é preciso antes de mais nada ter a confirmação da infecção, estabelecer a cronologia dos acontecimentos e investigar por imagens do cérebro o que de fato está acontecendo com essas pessoas.

"Não temos dados epidemiológicos, mas a impressão é que houve um aumento de relatos de encefalite e mielite nos últimos meses. São casos de acometimento da medula e do cérebro de adultos. A gente já vem trabalhando com a possibilidade de o zika causar problemas neurológicos que são reativos, que é o caso da síndrome de Guillain-Barré (reação do sistema imunológico à infecção). Mas pode ser que gere também problemas diretos", explica Fernanda Tovar Moll, diretora científica do Idor e professora da UFRJ.

Especialista em neuroimagem, ela está fazendo a análise de ressonâncias magnéticas desses pacientes. O objetivo, diz, é verificar as regiões do cérebro e da medula que possam ter sofrido alteração. "É como fazer um trabalho de cartografia das áreas mais acometidas."

De acordo com Renato Aguiar, pesquisador do Instituto Adolfo Lutz que participou do sequenciamento, publicado na revista Lancet na semana passada, a descoberta poderá ajudar a investigar se o zika pode ser transmitido por outros vetores além do Aedes aegypti.

"Por terem origens comuns, os dois vírus têm características biológicas comuns. Mas os vírus associados ao ramo da encefalite japonesa são transmitidos pelo Culex e não pelo Aedes. Como sabemos agora a posição filogenética do zika, podemos investigar pistas sobre seu comportamento e possíveis vetores", afirma Aguiar.

Segundo Márcio Nunes, do Instituto Evandro Chagas, que também fez sequenciamentos completos do genoma do zika, o fato de o vírus da encefalite japonesa provocar alterações no sistema nervoso poderá ser útil para que os cientistas busquem marcadores biológicos de virulência - isto é, elementos que expliquem por que em alguns casos a infecção pode levar à microcefalia.

"No caso da encefalite japonesa, esses marcadores são muito bem descritos. Esse conhecimento prévio pode servir de base para que possamos buscar os marcadores no caso do zika."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

França restringe doação de sangue por causa do Zika vírus

LUIS ROBAYO/AFP
Viajantes que voltarem de regiões com surto do vírus Zika terão de esperar pelo menos 28 dias para doar sangue no país


 Viajantes voltando de regiões com surto do Zika vírus terão que esperar pelo menos 28 dias antes de doar sangue, para evitar risco de transmissão, afirmou a ministra da Saúde francesa, Marisol Touraine, neste domingo.

O vírus, que está se espalhando rapidamente pelas Américas e cujo surto foi declarado uma emergência de saúde global pela Organização Mundial de Saúde (OMS), é transmitido principalmente através da picada de um mosquito, com outras possíveis formas de transmissão ainda sendo estudadas.

"Quem vem de uma região infectada por Zika vírus não pode doar sangue durante 28 dias," disse Touraine em entrevista à rádio Europe 1, ao canal de notícias iTele e ao jornal Le Monde.

Ela também aconselhou as mulheres grávidas a informar às autoridades se viajarem para alguma das regiões afetadas.

O Zika vírus tem sido relatado em mais de 30 países desde que apareceu pela primeira vez nas Américas, no ano passado, onde tem sido associado a milhares de casos de bebês que nasceram com microcefalia, má-formação que faz com que os cérebros das crianças sejam anormalmente pequenos.