Últimas

Outras Matérias

Mais Matérias informativas

Diazepam


(Solução injetável)

Apresentação de Diazepam Uso Injetável 
Uso Adulto e Pediátrico

Laboratório: Teuto

Solução injetável 10mg/2mL

Embalagens contendo 1, 5, 10, 50 e 72 ampolas com 2mL.

USO INTRAMUSCULAR OU USO INTRAVENOSO

Composição
Composição de Diazepam
Cada 2 mL da solução injetável contém:

diazepam............10mg

Veículo q.s.p............2mL

Excipientes: propilenoglicol, álcool benzílico, benzoato de sódio, ácido benzóico, álcool etílico e água para injeção.

1. Para que este medicamento é indicado?
Para que serve Diazepam
Diazepam é indicado como sedativo antes de procedimentos diagnósticos ou terapêuticos ou cirurgias para aliviar a tensão, ansiedade ou o estresse agudo e para diminuir a lembrança de tais procedimentos como: reversão de parada cardíaca, cateterismo cardíaco, endoscopia, exames radiológicos, pequenas cirurgias, redução de fraturas, biópsias, curativos em queimados, etc., e no pré-operatório de pacientes ansiosos e tensos, no tratamento de doenças do sistema nervoso e outras condições médicas em pacientes internados.

2. Como este medicamento funciona?
Ação esperada de Diazepam
O diazepam pertence a um grupo de medicamentos chamado benzodiazepinas. O diazepam é um sedativo, relaxante muscular e também age contra ansiedade e convulsões.

Após injeção intramuscular ou intravenosa, o paciente não se recorda de eventos que ocorreram durante o pico de atividade de diazepam.

Este fato é útil quando diazepam é usado antes de cirurgias e outros procedimentos médicos. A ação do produto se inicia cerca de 20 minutos de seu uso. Somente o médico sabe a dose ideal de diazepam para o seu caso. Você deve seguir as recomendações médicas e não mudar as doses por conta própria.

3. Quando não devo usar este medicamento?
Contraindicações e riscos de Diazepam
VOCÊ NÃO DEVE TOMAR SE FOR ALÉRGICO AO DIAZEPAM. O DIAZEPAM NÃO DEVE SER USADO EM PACIENTES: COM HIPERSENSIBILIDADE (ALERGIA) AOS BENZODIAZEPÍNICOS; COM GLAUCOMA DE ÂNGULO AGUDO E DEPENDENTES DE OUTRAS DROGAS INCLUSIVE O ÁLCOOL. 

NESTE CASO, ELE PODE SER USADO PARA O TRATAMENTO DE SINTOMAS AGUDOS DE ABSTINÊNCIA.

PACIENTES COM MIASTENIA GRAVIS DEVEM TER CUIDADO ESPECIAL AO USAR DIAZEPAM DEVIDO AO RELAXAMENTO MUSCULAR PREEXISTENTE.

QUANDO EXISTE INSUFICIÊNCIA CARDIORRESPIRATÓRIA, SEDATIVOS COMO O DIAZEPAM PODEM ACENTUAR A DEPRESSÃO RESPIRATÓRIA, MAS O EFEITO SEDATIVO, PODE, AO CONTRÁRIO, SER BENÉFICO AO REDUZIR O ESFORÇO RESPIRATÓRIO DE CERTOS PACIENTES. 

NO CASO DE HIPERCAPNIA CRÔNICA GRAVE (DOENÇA QUE ENVOLVE ALTERAÇÃO DAS RESERVAS ALCALINAS NO SANGUE), O DIAZEPAM SÓ PODE SER ADMINISTRADO SE OS BENEFÍCIOS POTENCIAIS SUPERAREM OS POSSÍVEIS RISCOS.


4. O que devo saber antes de usar este medicamento?
Precauções e advertências de Diazepam
PACIENTES USADO DIAZEPAM JUNTO COM BEBIDAS ALCOÓLICAS DEVEM TER CUIDADO, POIS PODE HAVER AUMENTO DOS EFEITOS INDESEJÁVEIS DE AMBAS AS DROGAS.

OS BENZODIAZEPÍNICOS DEVEM SER USADOS COM MUITO CUIDADO EM PACIENTES COM HISTÓRIA DE ALCOOLISMO OU DEPENDÊNCIA DE DROGAS.

PACIENTES COM COMPROMETIMENTO DA FUNÇÃO RENAL OU HEPÁTICA DEVEM OBSERVAR OS CUIDADOS USUAIS.

PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA DEVEM TOMAR DOSES MENORES, DEVIDO AO RISCO DE DEPRESSÃO RESPIRATÓRIA.

TOLERÂNCIA: PODE HAVER REDUÇÃO NA RESPOSTA AOS EFEITOS APÓS USO REPETIDO DE DIAZEPAM POR PERÍODO PROLONGADO.

DEPENDÊNCIA: O USO DE BENZODIAZEPÍNICOS PODE CAUSAR DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA. O RISCO DE DEPENDÊNCIA AUMENTA COM A DOSE E DURAÇÃO DO TRATAMENTO E É MAIOR TAMBÉM NOS PACIENTES PREDISPOSTOS, COM HISTÓRIA DE ABUSO DE DROGAS OU ÁLCOOL.

ABSTINÊNCIA: QUANDO OCORRE DEPENDÊNCIA, A RETIRADA ABRUPTA DO TRATAMENTO É ACOMPANHADA DE SINTOMAS DE ABSTINÊNCIA. PODEM OCORRER DOR DE CABEÇA, DORES MUSCULARES, ANSIEDADE EXTREMA, TENSÃO, INQUIETUDE, CONFUSÃO E IRRITABILIDADE.

EM CASOS GRAVES, PODEM OCORRER SINTOMAS COMO DESPERSONALIZAÇÃO, DESREALIZAÇÃO, AUMENTO DA SENSIBILIDADE AUDITIVA, DORMÊNCIA E SENSIBILIDADE NAS EXTREMIDADES, HIPERSENSIBILIDADE À LUZ, BARULHO E CONTATO FÍSICO, ALUCINAÇÕES OU CONVULSÕES.

ANSIEDADE DE REBOTE: PODE OCORRER UMA SÍNDROME TRANSITÓRIA COM OS MESMOS SINTOMAS QUE LEVARAM AO TRATAMENTO COM DIAZEPAM. OUTRAS REAÇÕES PODEM OCORRER COMO ALTERAÇÕES DE HUMOR, ANSIEDADE, E INQUIETUDE. COMO O RISCO DE ABSTINÊNCIA E REBOTE É MAIOR QUANDO O TRATAMENTO É INTERROMPIDO ABRUPTAMENTE, RECOMENDA-SE QUE A DOSAGEM SEJA REDUZIDA GRADUALMENTE.

AMNÉSIA: OS BENZODIAZEPÍNICOS PODEM INDUZIR A AMNÉSIA ANTERÓGRADA (ESQUECIMENTO DE FATOS RECENTES) COM O USO DE DOSES TERAPÊUTICAS E COM AUMENTO DO RISCO EM DOSES MAIORES. ESTES EFEITOS PODEM ESTAR ASSOCIADOS COM COMPORTAMENTO INADEQUADO.

REAÇÕES PSIQUIÁTRICAS E “PARADOXAIS” (CONTRADITÓRIAS): REAÇÕES PSIQUIÁTRICAS PODEM OCORRER COM O USO DE BENZODIAZEPÍNICOS, COMO INQUIETUDE, AGITAÇÃO, IRRITABILIDADE, AGRESSIVIDADE, ILUSÃO, RAIVA, PESADELOS, ALUCINAÇÕES, PSICOSES, COMPORTAMENTO INAPROPRIADO E OUTROS EFEITOS COMPORTAMENTAIS. QUANDO ISTO OCORRE, DEVE-SE PARAR DE USAR O MEDICAMENTO. ESTES EFEITOS SÃO MAIS PROVÁVEIS EM CRIANÇAS E IDOSOS.

INFLUÊNCIA NA HABILIDADE DE DIRIGIR E OPERAR MÁQUINAS: SINTOMAS DE SEDAÇÃO, AMNÉSIA, DIMINUIÇÃO DA CONCENTRAÇÃO E ALTERAÇÃO DA FUNÇÃO MUSCULAR PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE A HABILIDADE PARA DIRIGIR E OPERAR MÁQUINAS.

DURANTE O TRATAMENTO, O PACIENTE NÃO DEVE DIRIGIR VEÍCULOS OU OPERAR MÁQUINAS, POIS SUA HABILIDADE E ATENÇÃO PODEM ESTAR PREJUDICADAS.

Interações medicamentosas de Diazepam
O diazepam pode influenciar ou sofrer influência de outros medicamentos quando usados concomitantemente.

Você deve informar seu médico se estiver usando algum dos seguintes medicamentos ou substâncias mencionados a seguir, pois podem ocorrer interações entre eles e a substância que faz parte da fórmula do diazepam: qualquer outro medicamento para doenças do sistema nervoso, incluindo tranquilizantes, sedativos, medicamentos para dormir, medicamentos contra convulsões, entre outros; medicamentos para doenças do estômago como cimetidina e omeprazol e antimicóticos (ou antifúngicos) administrados por via oral como o cetoconazol.

Ingestão em conjunto com outras substâncias: Não tome bebidas alcoólicas enquanto estiver usando diazepam. O álcool aumenta o efeito do diazepam e pode ser prejudicial. Não use e não misture remédios por conta própria.

Uso de Diazepam na gravidez e amamentação
Informe seu médico se ficar grávida ou se estiver amamentando durante ou após terminar o tratamento com diazepam. 

Diazepam passa para o leite materno, podendo causar sonolência e prejudicar a sucção da criança.

Não deve ser utilizado durante a gravidez e a amamentação, exceto sob orientação médica.

Informe a seu médico ou cirurgião-dentista se ocorrer gravidez ou iniciar amamentação durante o uso de diazepam.


Não há contraindicação relativa a faixas etárias.

Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

NÃO USE MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE.

5. Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?
Armazenamento, data de fabricação, prazo de validade e aspecto físico de Diazepam

Cuidados de conservação e uso: DURANTE O CONSUMO ESTE PRODUTO DEVE SER MANTIDO NO CARTUCHO DE CARTOLINA, CONSERVADO EM TEMPERATURA AMBIENTE (15 A 30°C).

Prazo de validade: 24 meses a partir da data de fabricação (VIDE CARTUCHO).

Não use diazepam com prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto de diazepam.

Aspecto físico: Solução límpida de incolor a amarelada.


PROTEGER DA LUZ E UMIDADE.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Atenção: O número de lote e data de validade gravados na ampola podem se tornar ilegíveis ou até serem perdidos caso a embalagem entre em contato com algum tipo de solução alcoólica.


6. Como devo usar este medicamento?
Posologia, dosagem e instruções de uso de Diazepam
Modo de uso: Solução injetável (que somente é disponível em locais adequados preparados para sua administração): deve ser usada conforme orientação fornecida aos profissionais de saúde.

Posologia: Para se obter o melhor efeito, a dosagem deve ser individualizada. As doses usuais diárias recomendadas para adultos e adolescentes variam de 2 a 20mg IM ou IV, dependendo do peso corporal, indicação e gravidade dos sintomas. Em algumas indicações, como no caso de tétano, podem ser necessárias doses mais elevadas.

A administração intravenosa de diazepam deve ser sempre lenta (0,5 - 1mL/ minuto), pois o uso muito rápido pode provocar apneia (parada respiratória súbita). Para qualquer eventualidade, instrumental de reanimação deve estar disponível.

Posologia em indicações específicas:
Idosos: Pacientes idosos devem receber doses menores. Eles devem ser acompanhados regularmente no início do tratamento para minimizar a dosagem e/ou frequência de administração e para prevenir superdosagem devido ao acúmulo.

Crianças: A dose usual de diazepam varia de 0,1-0,3mg/kg por dia. Os benzodiazepínicos não devem ser dados a crianças sem confirmação cuidadosa da indicação. A duração do tratamento deve ser a menor possível.

Distúrbios do funcionamento do fígado: Pacientes com distúrbios do funcionamento do fígado devem receber doses menores.


Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

8. Quais os males que este medicamento pode me causar?
Reações adversas de Diazepam

ESTE MEDICAMENTO É BEM TOLERADO PELA MAIORIA DOS PACIENTES. MAS VOCÊ DEVE INFORMAR SEU MÉDICO: SE SENTIR SONOLÊNCIA, CANSAÇO, RELAXAMENTO MUSCULAR E DIFICULDADE PARA ANDAR E SE TIVER PESADELOS, SENTIR-SE AGITADO, IRRITADO OU AGRESSIVO. O DIAZEPAM PODE MODIFICAR REAÇÕES QUE REQUEREM MUITA ATENÇÃO COMO DIRIGIR VEÍCULOS OU OPERAR MÁQUINAS PERIGOSAS.

REAÇÕES COMUNS: CANSAÇO, SONOLÊNCIA E RELAXAMENTO MUSCULAR EM GERAL, ESTANDO RELACIONADOS COM A DOSE ADMINISTRADA.

REAÇÕES POUCO FREQUENTES: CONFUSÃO MENTAL, AMNÉSIA ANTERÓGRADA (ESQUECIMENTO DE FATOS RECENTES), TONTEIRA E DISTÚRBIOS DE ACOMODAÇÃO VISUAL; CEFALEIA (DOR DE CABEÇA); DIPLOPIA (VISÃO DUPLA), FALA ENROLADA E DISARTRIA (DIFICULDADE PARA FALAR); SECURA NA BOCA OU HIPERSALIVAÇÃO; DEPRESSÃO; MANCHAS NA PELE; TREMOR; HIPOTENSÃO (PRESSÃO BAIXA); AUMENTO OU DIMINUIÇÃO DA LIBIDO, ENJOO; RETENÇÃO URINÁRIA, INCONTINÊNCIA URINÁRIA E CONSTIPAÇÃO.

REAÇÕES RARAS: ICTERÍCIA (COLORAÇÃO AMARELADA DA PELE, E DA PARTE BRANCA DOS OLHOS) E ALTERAÇÕES NOS EXAMES DE SANGUE PARA AVALIAR A FUNÇÃO DO FÍGADO (TRANSAMINASES E FOSFATASE ALCALINA).

REAÇÕES PARADOXAIS (CONTRADITÓRIAS): EXCITAÇÃO AGUDA, ANSIEDADE, DISTÚRBIOS DO SONO E ALUCINAÇÕES.

NESTES CASOS, VOCÊ DEVE INTERROMPER O TRATAMENTO COM O DIAZEPAM.

COM RELAÇÃO À DEPENDÊNCIA POTENCIAL E SINTOMAS DE ABSTINÊNCIA, VER “DEPENDÊNCIA”.

9. O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento
Superdosagem de Diazepam

Conduta em caso de superdose:
Sintomas: Em geral, uma dose muito grande de benzodiazepínicos se manifesta por depressão do sistema nervoso central, em graus variáveis, incluindo: sonolência, confusão mental, excitação, lentidão de movimentos ou até coma (raramente) ou morte (muito raramente).

Como com outros benzodiazepínicos, uma dose muito grande não apresenta ameaça à vida, a não ser que esteja associada a outros depressores do sistema nervoso central, como o álcool.

Conduta: Em caso de superdose procure um centro de intoxicação ou socorro médico.

Dizeres Legais
Nº do lote e data de fabricação: VIDE CARTUCHO

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

O ABUSO DESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR DEPENDÊNCIA

Farm. Resp.: Andreia Cavalcante Silva

CRF-GO nº 2.659

M.S. no 1.0370.0511

LABORATÓRIO

TEUTO BRASILEIRO S/A

CNPJ - 17.159.229/0001-76

VP 7-D Módulo 11 Qd. 13 - DAIA

CEP 75132-140 - Anápolis - GO

Indústria Brasileira

SAC teuto

0800621800

sac@teuto.com.br

Coca-Cola vendida no Brasil tem maior concentração de substância potencialmente cancerígena

De acordo com o Centro de Pesquisa CSPI, o refrigerante vendido no Brasil contém 263 mcg (microgramas) do corante cancerígeno em 350 ml. Essa concentração é muito maior em comparação com a Coca-Cola vendida no Quênia.

A Coca-Cola comercializada no Brasil contém a maior concentração do 4-metil-imidazol (4-MI), subproduto presente no corante Caramelo IV, classificado como possivelmente cancerígena. A análise foi realizada no Centro de Pesquisa CSPI (Center for Science in the Public Interest), de Washington D.C. Eles testaram a quantidade da substância nas latas de Coca-Cola também vendidas no Canadá, Emirados Árabe, México, Reino Unido e nos Estados Unidos. As informações sobre o estudo foram divulgadas pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

A pesquisa que apontou os riscos do Caramelo IV à saúde das pessoas foi feito pelo Programa Nacional de Toxicologia do Governo dos Estados Unidos e fez com que a Iarc (Agência Internacional para Pesquisa em Câncer), da OMS (Organização Mundial da Saúde), incluísse o 4-MI na lista de substâncias possivelmente cancerígenas.

Concentrações

De acordo com o Centro de Pesquisa CSPI, o refrigerante vendido no Brasil contém 263 mcg (microgramas) do corante cancerígeno em 350 ml, cerca de 267mcg/355ml. Essa concentração é muito maior em comparação com a Coca-Cola vendida no Quênia, que ficou na segunda posição, com 170 cmg/355ml.

QUANTIDADE DE 4-METIL-IMIDAZOL (4-MI) NA COCA-COLA EM NOVE PAÍSES

País 4-MI em microgramas (mcg) em cada 355 ml
Brasil 267
Canadá 160
China 56
Japão 72
Quênia 177
México 147
Emirados Árabes Unidos 155
Reino Unido 145
Estados Unidos (Washington DC) 144
Estados Unidos (Califórnia) 4

A Coca-Cola do Brasil fornece nove vezes mais o limite diário de 4-MI estabelecido pelo governo da Califórnia, que estipulou a quantidade máxima de 39 ml do refrigerante por dia e nenhum outro produto que possui o corante Caramelo IV em sua composição.

Como nos últimos 30 anos o consumo de refrigerante quintuplicou no Brasil, o Idec ressalta que, independentemente da presença do corante, todas as bebidas que contêm açúcar devem ser evitadas, pois se consumidas em excesso podem aumentar o risco de diabetes, obesidade e doenças associadas aos cânceres de esôfago, rins, pâncreas, endométrio, vesícula biliar, cólon e reto.

Mudanças

Nos Estados Unidos, após diversas petições de entidades de defesa do consumidor, o Estado da Califórnia reconheceu a periculosidade do aditivo. Diante disso, empresas como a Coca-Cola e a Pepsi dos Estados Unidos divulgaram que realizarão mudanças em suas fórmulas, de acordo com o instituto.

Por ser um ingrediente que desempenha uma função puramente estética, o Idec questionou às empresas brasileiras se elas possuíam outras alternativas ao Caramelo IV. Foi indagada, ainda, a quantidade de 2-metilimidazol e 4-metilimidazol presente em seus produtos.

À Anvisa, o Idec questionou a base científica para permissão do uso do Caramelo IV no Brasil (estudos que garantem a segurança do aditivo), e se a agência monitora as quantidades de Caramelo IV e 2-metilimidazol e 4-metilimidazol presentes nos produtos alimentícios brasileiros. O Idec exigiu que a agência adotasse providências imediatas, tendo em vista a proteção à saúde do consumidor.

As empresas e a Anvisa terão o prazo de 10 dias para responder aos questionamentos do Idec.

Outro lado

No fim da tarde desta segunda-feira, a Coca-Cola enviou comunicado em que afirma que quantidade da substância 4-metil-imidazol (4-MI) presente no corante caramelo utilizado nos produtos é "absolutamente segura" e segue os padrões aprovados pela Anvisa.

"Coca-Cola não vai alterar sua fórmula mundialmente conhecida. Mudanças no processo de fabricação de qualquer um dos ingredientes, como o corante caramelo, não tem potencial para modificar a cor ou o sabor da bebida. Ao longo dos anos já implementamos outras mudanças no processo de fabricação de ingredientes, no entanto, sem alterar nossa fórmula secreta", afirma a empresa.

A companhia também diz que, segundo as autoridades sanitárias, uma pessoa adulta teria que consumir diariamente 80 litros de refrigerante que contenha corante caramelo IV para ultrapassar os limites estabelecidos pelos comitês científicos internacionais e pela agência brasileira.

"Continuamos a nos orientar por evidências científicas sólidas para garantir que nossos produtos sejam seguros. Coca-Cola Brasil produz bebidas rigorosamente dentro das normas e observando as regras sobre quantidades e ingredientes recomendadas. O elevado padrão de qualidade e segurança dos nossos produtos permanece sendo nossa mais alta prioridade."

Do UOL - Veja mais  

Os 27 Benefícios da Moringa Para Saúde

A Moringa oleífera, também conhecida como árvore baqueta, é uma planta altamente valorizado e versátil, que pertence à família Moringaceae. Ela é uma árvore de crescimento rápido, de folha caduca que é nativo da Índia e é amplamente cultivada em áreas tropicais e subtropicais de todo Ásia, África e América do Sul. É amplamente conhecido com muitos outros nomes como acácia branca, árvore rabanete de cavalo, cedro, moringueiro e quiabo de quina, a planta é rica em nutrientes podendo ser inserida na alimentação.


Embora a ciência moderna tem descoberto apenas recentemente o seu valor, a Moringa foi transmite uma infinidade de benefícios em várias culturas desde os tempos antigos. A Moringafoi valorizado pelos romanos, egípcios e gregos por seu impato medicinal em uma série de doenças. Hoje, o uso de Moringa tem sido incentivado por diversas organizações humanitárias para combater a desnutrição e seus efeitos nas regiões atingidas pela pobreza, principalmente devido à sua viabilidade econômica e de crescimento rápido.

A árvore Moringa tem espessura da casca, esbranquiçado, com ramos frágeis caídos e longos, verde e folhetos ovais. Na terapia ayurvédica, a Moringa é valorizado pela sua impressionante variedade de usos terapêuticos, comumente atribuída à sua antifúngica, antiviral, propriedades antidepressivas e anti-inflamatórios. Em algumas áreas, é conhecido simplesmente como “shigru‘.

As folhas e vagens da Moringa são uma potência nutricional e fornecem uma grande variedade e quantidade de proteínas essenciais, vitaminas e minerais. A Moringa é uma rica fonte de aminoácidos essenciais, que são os blocos de construção das proteínas. Ela também contém uma quantidade significativa de vitaminas tais como Vitamina A, vitamina B1 (Tiamina), B2 (Riboflavina), B3 (Niacina), B6, Ácido Fólico e ácido ascórbico (Vitamina C). A riqueza mineral da Moringa inclui Cálcio, Potássio, Ferro, Magnésio, Fósforo e Zinco. Ele contém muito baixa quantidade de gorduras e não oferece nenhum colesterol nocivo.

Benefícios da Moringa Para Saúde: A Moringa contém uma imensa riqueza de componentes e fitonutrientes saudáveis. Devido à sua extraordinária gama e incomparável de benefícios medicinais, a Moringa foi nomeada a “árvore milagrosa” durante a crise alimentar na África. Nas Filipinas, a Moringa é reverenciada como o melhor amigo da mãe por causa de suas propriedades galactogogos. Então, Confira Os Benefícios da Moringa Para Saúde.

Moringa Possuir Poderosos Antioxidantes: A planta da Moringa oferece uma rica mistura de poderosos antioxidantes , como kaempferol, ácido cafeoilquínico, zeatina, a quercetina, rutina, ácido clorogênico e beta-sitosterol. Estes antioxidantes poderosos encontrados na Moringapossuem elevada capacidade de eliminação dos radicais livres e que têm demonstrado o seu valor terapêutico para a cura dos danos causados por estresse oxidativo .

Benefícios da Moringa Para Edema: Os extratos da Moringa são benéficas no tratamento de edema. Os estudos confirmaram que o tratamento com extrato de raiz de Moringa oleifera, que possui qualidades anti-inflamatórias, tem sido significativamente eficaz na inibição do desenvolvimento de edema. Além disso, os estudos sugerem que a eficácia da erva Moringa fica igual com a potente indometacina, medicamento anti-inflamatório para o tratamento de tais condições dolorosas.

Benefícios da Moringa Na Proteção do Fígado:
O Extrato da Moringa exercer um efeito hepatoprotetor sobre o fígado de investigação . Estudos têm validado a eficácia da Moringa deixa contra a lesão hepática causada por drogas anti-tuberculose, bem como seus efeitos estimulantes em acelerar o processo de recuperação Moringa ajuda a restaurar o níveis de teor de glutationa no organismo e evita induzida por radiação peroxidação lipídica hepática . Este efeito protetor é atribuída à presença de fitoquímicos como catequina, epicatequina, ácido ferúlico e vitamina C encontrados na Moringa.

Benefícios da Moringa Para Distúrbios do Estômago: Os isotiocianatos presentes na Moringa são eficazes no tratamento de desordens abdominais, tais como a obstipação, gastrite e Coliteulcerativa. Estudos têm mostrado que os extratos de Moringa podem ser considerados como uma alternativa à base de plantas eficaz de uma gama de anti-ácidos e anti-histamínicos disponíveis comercialmente. As investigações têm mostrado que o tratamento com Moringaoleifera conduz a ulceração reduzida e a sua eficácia na cura de Colite ulcerosa é comparável com a prednisona, droga disponível comercialmente.

Moringa contém propriedades antibióticas e antibacterianos. Ela exerce efeitos inibidores sobre o crescimento de vários agentes patogênicos. Isso inclui Helicobacter pylori, bactérias e coliformes, que podem desencadear doenças como a Diarreia.

Benefícios da Moringa Para uma Pele Saudável:
O óleo de semente da Moringa é benéfico para a pele. Os efeitos hidratantes e desintoxicantes de extratos de Moringa ajudar a neutralizar os efeitos de poluentes nocivos, previne rugas e retarda o envelhecimento prematuro. O alto teor de proteína de Moringa ajuda na proteção das células dérmicas de danos causados por metais pesados, como mercúrio e cádmio. Pela mesma razão, é usado na produção de produtos cosméticos e produtos de cuidados da pele.

Benefícios da Moringa Para Diabetes:
A Moringa exercer efeitos antidiabéticos no tratamento de Diabetes Mellitus. As pesquisas demonstraram que o tratamento com Moringa funciona de forma positiva para a redução da glicose no sangue, açúcar e proteínas na urina em indivíduos diabéticos. De acordo com os estudos, a Moringa também mostrou uma melhora acentuada nos níveis de hemoglobina e teor de proteína total dos indivíduos diabéticos.


Moringa tem Propriedades Antibacterianas: A Moringa possui propriedades antibacterianas e antimicrobianas e é eficaz contra o crescimento de micróbios causadores de doenças. Investigações científicas têm demonstrado que os extratos de Moringa exercem um largo espectro de atividade protetora contra os microrganismos de origem alimentar, tais como Salmonella, espécie Rhizopus, E. coli, Enterobacter aerogenus, Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus. Esta atividade defensiva faz extratos de Moringa perfeitos para fins de saneamento e preservação.

Benefícios da Moringa na Prevenção e no Combate do Câncer: A Moringa é um agente anticancerígeno e é altamente valorizada na terapia de tumores. A investigação tem demonstrado que os extratos desta árvore possuem propriedades quimio preventivas atribuídos à presença de componentes fenólicos da quercetina e campferol. Outro estudo demonstrou a função do composto bioativo em niazimicin restringindo o desenvolvimento de células cancerosas. Extratos de Moringa conferem efeitos na cura de vários tipos de câncer, tais como o câncer do ovário , carcinogêneos hepática e papillomagenesis, além de inibir a proliferação de células cancerosas malignas e induzindo a apoptose, também conhecida como morte celular programada.

Benefícios da Moringa Para Doenças Neurodegenerativas: A eficácia de Moringa foi muito valiosa no tratamento de doenças neurodegenerativas. Mais uma vez os estudos têm mostrado que o tratamento com extratos desta árvore tem o potencial de alterar monoaminas do cérebro como noradrenalina, serotonina e dopamina, e ainda estende sua proteção contra deficiências monoaminérgicos relacionadas com a doença de Alzheimer.

Benefícios da Moringa Para Saúde Óssea: Os extratos de Moringa são benéficos para a manutenção da saúde dos ossos, o que é atribuído à presença de minerais essenciais tais como cálcio e fósforo. Os extratos possuem propriedades anti-inflamatórios e são eficazes no tratamento de estados dolorosos, tais como a artrite, ao mesmo tempo, ajudando a curar várias doenças ósseas como a fratura mandibular óssea ou maxilar.

Moringa tem Efeitos Imunossupressores: A semente da Moringa oleífera possuem propriedades imunossupressoras. Imunossupressão deliberada é necessário para inibir a ativação do sistema imunitário do organismo, a fim de prevenir a rejeição de certos tratamentos, em especial o transplante de órgãos e doenças autoimunes como a artrite reumatoide. Os estudos têm demonstrado que a ação imunossupressora das sementes de Moringa ajuda no melhoramento da produção de anticorpos para permitir os novos órgãos e o material transplantado para resolver de forma segura no corpo.

Benefícios da Moringa Para Herpes: A erva da Moringa é eficaz contra a infecção causada pelo vírus herpes simplex. Os efeitos de cura de erva da Moringa previnem o desenvolvimento de lesões na pele e inibem a formação de placa causada pelo vírus infectante.

Benefícios da Moringa na Proteção do Sistema Cardiovascular:
Os extratos de Moringa são úteis para a prevenção de danos do miocárdio ou cardíaco, devido à presença de antioxidantes poderosos. As pesquisas realizadas sobre este assunto têm fornecido provas que comprova os efeitos antiperoxidative e cardioprotetor de terapia da Moringa. O tratamento com Moringaajuda a inibir o aumento em perioxidation lípido no tecido do miocárdio e auxilia na manutenção de um coração saudável.

Moringa tem Propriedades Antialérgicos:
Extratos de sementes de Moringa possuem qualidades antialérgicos. Pesquisas validaram a ação inibitória da moringa nas reações de hipersensibilidade envolvidos em várias doenças alérgicas, incluindo rinite alérgica e anafilaxia.

Benefícios da Moringa Para Asma:
Os benefícios do extratos da plantas da Moringa também incluem alívio de asma brônquica e inflamação causada nas vias aéreas. Segundo a pesquisa, o tratamento com Moringa ajuda a reduzir a gravidade dos ataques de asma e vários sintomas como pieira, tosse, dispneia e aperto no peito. A Moringa estende seus efeitos protetores contra constrições brônquicas e incentiva uma melhor função pulmonar e respiração.

Moringa tem Propriedades anti-fúngicos: As folhas da Moringa oleífera possuem qualidades antifúngicos. Os efeitos inibidores ajuda na prevenção do crescimento de fungos que causam doenças contaminantes, tais como Aspergillus e Penicillium.

Benefícios da Moringa Para o Cabelo: Os efeitos favoráveis do óleo de semente da Moringa para o cabelo saudável tem sido apreciado desde os tempos antigos. É altamente eficaz na limpeza e purificação do cabelo e protege de danos ambientais, incluindo a radiação ultravioleta. Ele serve como um condicionador valioso para o couro cabeludo, reforça as raízes e estimula o crescimento do cabelo.


Benefícios da Moringa Para Urolitíase: Os extratos da Moringa são eficazes contra a formação de pedras no rim, bexiga e o útero. De acordo com a investigação, a administração da raiz moringa exerceu atividade anti-urolitíase e resultou em uma notável redução nos níveis de oxalato urinário. O efeito curativo da Moringa também demonstrou uma redução na formação de depósitos de pedra e ajuda na regulação da síntese de oxalato endógeno.

Benefícios da Moringa Para Cicatrização de Feridas: Os extratos das folhas da Moringa oleífera possuem significativas propriedades de cura de feridas. Pesquisas têm fornecido provas sobre os efeitos curativos da Moringa no tratamento de feridas com relação à resistência de quebra de pele, índice de fechamento de feridas e redução da área da cicatriz.

Benefícios da Moringa Para Hipertensão: A Moringa é eficaz em manter níveis ótimos de pressão de sangue no corpo. Os componentes bioativos, tais como isotiocianato de niaziminin, que estão presentes na Moringa evitam o espessamento das artérias e reduz o desenvolvimento de hipertensão pulmonar.

Benefícios da Moringa Para Doença Falciforme:
A Moringa oleífera é eficaz no tratamento da doença falciforme. Recentes estudos validaram o potencial anti-falcização de extratos de plantas de Moringa, o que é atribuído à presença de Zinco e flavonoides, tais como campferol, quercetina, e acacetin, bem como os ácidos fenólicos, tais como o ácido melilotic e ácido vanílico.

Benefícios da Moringa Para Saúde dos olhos: Rica em antioxidantes, a Moringa oleífera é benéfica para fornecer proteção contra danos da retina. Estudos científicos têm fornecido elementos de prova sobre os efeitos retino protetores de moringa em assuntos de teste. O tratamento com Moringa ajuda na prevenção da dilatação dos vasos da retina e mantém a vasculatura retiniana intacta. Também inibe o espessamento das membranas capilares e impede qualquer disfunção da retina.

Benefícios da Moringa Para Sistema Imunológico: Os extratos etanoicos da folha Moringa ajuda a estimular o Sistema Imunológico do corpo. Ela também ajuda a aumentar a resposta imunitária celular e exerce efeitos positivos sobre vários outros valores do sistema imunitário, tais como a contagem de leucócitos totais, anticorpos e reação de hipersensibilidade.

Benefícios da Moringa Para Nefrotoxicidade:
Os extratos dessa árvore exercem um efeito protetor contra a nefrotoxicidade, que se refere aos problemas renais causados em consequência da exposição a certas drogas ou toxinas. Estudos revelaram que o efeito nefroprotetor da Moringa ajuda na atenuação de lesões renais, devido ao seu elevado teor de antioxidantes. Ele serve como um sistema eficaz de bio-absorvente e ajuda na remoção de metais pesados e toxinas prejudiciais.

Benefícios da Moringa Para Colesterol: Os extratos da Moringa servem como um remédio eficaz para a manutenção de níveis saudáveis de colesterol no corpo. Estudos confirmaram os efeitos hipocolesterolêmicos da moringa, que ajuda na redução do elevado teor de gordura por subir os níveis de fígado, rim e de colesterol sérico.

Benefícios da Moringa Para Anemia: Os extratos da Moringa são benéficos no tratamento de Anemia. Estudos têm fornecido provas sobre o fato de que o tratamento com Moringa oleífera ajuda a facilitar a absorção do Ferro, aumentando a contagem de células vermelhas do sangue e ajudando a manter os parâmetros sanguíneos normais.

Benefícios da Moringa na Prevenção da Obesidade: A Moringa ajuda no combate à obesidade, graças às suas qualidades altamente nutritivos e de baixo teor de gordura. O conteúdo impressionante de vitamina B em folhas de Moringa ajuda na digestão e converte o alimento em energia em vez de armazená-lo como gordura.
Uso culinário: A Moringa é uma “árvore milagrosa” e a maioria de suas partes, incluindo as folhas, cascas, frutos e raízes são usadas como itens alimentares. As folhas da árvore de Moringa podem ser adicionadas para saladas e também são usados na preparação de molhos e sopas. O óleo de Moringa prensado a frio é usado para cozinhar e é apreciado pela sua longa vida de prateleira. As vagens imaturas da árvore Moringa, popularmente conhecido como baquetas na Índia, são usados em vários pratos.

Folhas de Moringa são uma ótima alternativa à carne, por causa do alto teor de proteína, especialmente para vegetarianos. Ela contém o amino ácidos aregenine e histidina que são essenciais para as crianças e também é uma benção para combater a desnutrição nas regiões carentes do mundo. Confira abaixo outros usos da Moringa:

A purificação de água: Os extratos de Moringa oleífera possuem qualidades anti-cianobactérias e têm sido bem recebida para a sua utilização em sistemas de filtração de água primitivas. As sementes desta árvore funcionam como um coagulante e exerce efeitos sobre a argila e microrganismos presentes na água de floculação, auxiliando assim na remoção de substâncias nocivas poluentes e algas. A moringa é uma maneira natural de purificação e tratamento de água, em contraste com outros coagulantes industriais, tais como alumina.

Óleo da Semente de Moringa: óleo de semente da Moringa tem uma baixa tendência para se tornar rançoso e é efetivamente utilizado como um lubrificante para aparelhos finos, como relógios.

Rações para animais de exploração agrícola: As folhas de Moringa possuem excelentes características nutricionais e são benéficos para alimentar o gado, tanto economicamente como nutricionalmente. A moringa promove uma melhor produção de leite e ajuda a melhorar a qualidade da carne.

IMPORTANTE: Algumas palavras de precaução: As raízes e casca de Moringa ter um efeito abortivo e não são recomendados para ingestão durante a gravidez. Moringa é uma planta altamente nutritiva e geralmente é segura para o consumo. No entanto, a sua utilização para o alívio terapêutico deve ser considerada apenas após consulta com um profissional médico.

Moringa oleífera também ajuda a melhorar a percepção sensorial e memória. Ela possui propriedades antiepilépticas e ajuda na luta contra a depressão, ansiedade e fadiga. Propriedades anti-inflamatórias e o alto teor de vitamina de moringa são valiosos para o tratamento de condições escorbuto e catarral. A erva da moringa é útil para a regulação dos hormônios da tireoide e é eficaz na cura de infecções de pele e feridas.

Matéria Extraída do artigo: www.saudedica.com.br/os-27-beneficios-da-moringa-para-saude

Estafa

Entenda seus sintomas e veja como tratar esse problema
Também conhecida como fadiga, ela pode ter origem física ou emocional

Desânimo sem explicação aparente, dores no corpo, falta de motivação para continuar aquela atividade de que tanto gosta e uma vontade enorme de ir embora logo após chegar ao trabalho. Se você está com algum desses sintomas, fique de olho, pode ser estafa.

De origem emocional ou física, ela pode atingir crianças e adultos e compromete o desempenho na escola, no trabalho e na relação com as demais pessoas no dia a dia, tornando todas as atividades antes prazerosas, em obrigações desgastantes e chatas. Por alterar todo o funcionamento do organismo, pode desencadear outras doenças como hipertensão, fobias e ansiedade, problemas cardíacos e gastrite. "Se você ficar acumulando tensões e cansaço, vai virar uma panela de pressão e uma hora ela explode e faz um estrago maior", alerta o fisiologista da Unifesp, Claudio Pavanelli.

"A estafa pode ser física (periférica) ou mental (central) e está muito ligada a rotina que o paciente leva, por isso, antes de prescrever qualquer medicamento, pergunto se ele tem dado conta de todos os afazeres que estão sob sua responsabilidade ou se ele está passando por algum problema afetivo, só assim é possível tratar o problema", explica Claudio.

Ai que cansaço!
Estafa mental tira o ânimo em trabalhar

Treino, caminhada, corre-corre com as crianças e muito cansaço. Mais popularmente conhecida como fadiga, a estafa periférica se caracteriza por dores musculares e cansaço físico ocasionados principalmente pela combinação entre desgaste excessivo (sem respeitar o tempo de recuperação) e pela má alimentação. "Não há quem suporte esse ritmo frenético, é fadiga na certa", explica o fisiologista. "Nestes casos, o tratamento é uma mudança radical na rotina e na alimentação. Geralmente estas duas ações resolvem o problema", continua. "Se não for tratada, pode desencadear outras doenças como: anemia, prisão de ventre, diarreia e até queda de cabelo", diz Claudio.

Mente e corpo em equilíbrio

A forma mais comum da estafa é a fadiga mental. Caracterizada pela alteração do sistema nervoso central, ocorre em função do excesso de responsabilidades e tensões acumuladas que provocam um desgaste metabólico e mental muito grande. "O cansaço mental é tamanho que o paciente chega a sentir dor física. As pressões psicológicas se refletem no corpo", explica o fisiologista. "Neste caso, a melhor indicação é o relaxamento. É preciso rever a maneira como lidamos com os nossos problemas e frustrações. Às vezes, uma mudança simples de postura pode te livrar de um dano maior a saúde", continua.

"A estafa mental é muito mais grave do que a física porque tende a causar danos psicológicos e físicos. Caso não seja tratada adequadamente pode provocar doenças como: falha de memória, insônia, irritabilidade, desânimo, tristeza profunda e angústia", explica Claudio.

"O cansaço mental é tamanho que o paciente chega a sentir dor física". 

Muita gente confunde, mas estafa e estresse são problemas diferentes. Algumas diferenças ajudam a diferenciar os dois quadros. A fadiga ou estafa é um sintoma do estresse, mas não a a sua causa. No estresse, a intensidade da fadiga é maior e a maneira como nosso organismo reage a estes sintomas é bem diferente. Enquanto a estafa pode ser tratada com mudanças de hábitos ou tratamento médico, o mesmo não ocorre com o estresse, uma espécie de estágio crônico das duas formas de fadiga. "O grau de irritabilidade e da dor sentida no estresse é maior, além disso, o estresse é muito mais mental do que físico, por isso, não adianta usar os mesmos procedimentos. É uma questão de intensidade e durabilidade da fadiga", explica Claudio.

Estafa mental (central)

Já a estafa física causa dores no corpo
Entre os sintomas da estafa mental, nós podemos enumerar:

Falha de memória
Insônia
Irritabilidade e choro com facilidade
Desânimo
Tristeza e angústia
Azia, má-digestão
Palpitação
Diminuição do desejo sexual.

Tratamento
Relaxar é o lema para curar a estafa. "Muitas vezes o tempo que se 'perde' indo ao cinema ou em um parque, por exemplo, é um ganho de saúde e bem-estar. É melhor parar agora do que perder o controle depois", alerta o fisiologista.
Saiba aproveitar os momentos de lazer
Converse sobre os problemas com os amigos ou com um profissional
Cultive o bom humor
Aprenda a relaxar
Não faça várias tarefas ao mesmo tempo
Procure resolver um problema de cada vez
Organize suas prioridades
Não leve preocupações do trabalho para casa.

Estafa física (periférica)

Entre as manifestações da estafa física, se encontram os seguintes sintomas:

- Dores por todo o corpo; Apatia, falta de ânimo; Baixa resistência imunológica; Distensão muscular.

Tratamento
O processo de cura envolve muito mais atividades relacionadas ao corpo. Confira as opções:
Pratique atividade física com moderação
Respeite o ritmo de seu corpo
Procure ter uma alimentação balanceada e saudável.

Doenças desencadeadas pela estafa
Hipertensão arterial (pressão alta)
Doenças emocionais (ansiedade, pânico, fobias)
Doenças gastrointestinais (colite, gastrite e úlcera)
Doenças do coração (arritmia, angina e infarto).

O Olho humano



O olho humano é o órgão responsável pela visão no ser humano. Tem diâmetro antero-posterior de aproximadamente 24,15 milímetros, diâmetros horizontal e vertical ao nível do equador de aproximadamente 23,48 milímetros, circunferência ao equador de 75 milímetros, pesa 7,5 gramas e tem volume de 6,5 cm³. O olho humano pode distinguir cerca de 10 milhões de cores e é capaz de detectar um único de fóton. a visão e um dos cinco sentidos do ser humano



Anatomia

Figura mostrando o olho humano em sua órbita.

O globo ocular recebe este nome por ter a forma de um globo, que por sua vez fica acondicionado dentro de uma cavidade óssea e protegido pelas pálpebras. Possui em seu exterior seis músculos que são responsáveis pelos movimentos oculares, e também três camadas concêntricas aderidas entre si com a função de visão, nutrição e proteção. A camada externa é constituída pela córnea e a esclera e serve para proteção. A camada média ou vascular é formada pela íris, a coroide, o cório ou uvea, e o corpo ciliar. A camada interna é constituída pela retina que é a parte nervosa.

Existe ainda o humor aquoso que é um líquido incolor e que existe entre a córnea e o cristalino. O humor vítreo é uma substância gelatinosa que preenche todo o espaço interno do globo ocular entre o cristalino e a retina. Tudo isso funciona para manter a forma esférica do olho.


Figura mostrando os músculos da órbita, que movimentam o olho.

O cristalino é uma espécie de lente que fica dentro de nossos olhos. Está situado atrás da pupila e orienta a passagem da luz até a retina. A retina é composta de células nervosas que levam a imagem através do nervo óptico para que o cérebro as interprete.

Não importa se o cristalino fica mais delgado ou espesso, estas mudanças ocorrem de modo a desviar a passagem dos raios luminosos na direção da mancha amarela. À medida que os objetos ficam mais próximos o cristalino fica mais espesso, e para objetos a distância fica mais delgado a isso chamamos de acomodação visual.

O olho ainda representa, as pálpebras, as sobrancelhas, as glândulas lacrimais, os cílios e os músculos oculares. A função dos cílios ou pestanas é impedir a entrada de poeira e o excesso da luz. As sobrancelhas também têm a função de não permitir que o suor da testa entre em contato com os olhos.



Membrana conjuntiva é uma membrana que reveste internamente duas dobras da pele que são as pálpebras. São responsáveis pela proteção dos olhos e para espalhar o líquido que conhecemos como lágrima.

O líquido que conhecemos como lágrimas são produzidos nas glândulas lacrimais, sua função é espalhar esse líquido através dos movimentos das pálpebras lavando e lubrificando o olho.

O ponto cego é o lugar de onde o nervo óptico sai do olho. É assim chamada porque não existem, no local, receptores sensoriais, não havendo, portanto, resposta à estimulação. O ponto cego foi descoberto pelo físico francês Edme Mariotte (1620 - 1684).
 
Histologia
O bulbo do olho humano pode ser dividido em três túnicas: externa, média e interna. 

Túnica externa


Os músculos do olho humano.



Dilatação.


Modelo didático do olho humano. 

Esclera: tecido conjuntivo denso, pouco vascularizado, opaco, branco.
Córnea: transparente, muito inervada, nutrida pelo humor aquoso, e é subdivida em 5 camadas;3 camadas celulares e duas membranas que separam essas camadas:
epitélio anterior estratificado pavimentoso não queratinizado (5 a 6 camadas celulares)

membrana de Bowmann: membrana vermelha acelular, constituídas por fibras colágenas do tipo I. Da sustentação ao epitélio anterior.
estroma: formado por mais ou menos 200 camadas de fibras colágenas.
membrana de Descemente: membrana basal do epitélio posterior, camada acelular homogênea que separa a substancia própria do endotélio.
epitélio posterior simples pavimentoso.
Túnica média
Coroide: maior porção da túnica média, feita de tecido conjuntivo, bem vascularizado e rica em melanócitos (que produzem melanina).
Corpo ciliar: é um espessamento da coroide.



Túnica interna
Retina: membrana mais interna do olho, onde se encontra o nervo óptico, responsável por enviar os estímulos luminosos ao cérebro.
Cristalino (não está em nenhuma camada): transparente, avascular, formado por duas superfícies convexas. Tem a função de concentrar os raios luminosos e direcioná-los à retina. É a estrutura responsável por ajustar o foco da visão.
Formação de imagens no olho humano

No olho, a luz atravessa a córnea, o humor aquoso , o cristalino e o humor vítreo e se dirige para a retina, que funciona como o filme fotográfico em posição invertida; a imagem formada na retina também é invertida.

O nervo óptico transmite o impulso nervoso provocado pelos raios luminosos ao cérebro, que o interpreta e nos permite ver os objetos nas posições em que realmente se encontram.

Nosso cérebro reúne em uma só imagem os impulsos nervosos provenientes dos dois olhos.

A capacidade do aparelho visual humano para perceber os relevos deve-se ao fato de serem diferentes as imagens que cada olho envia ao cérebro. Com somente um dos olhos, temos noção de apenas duas dimensões dos objetos: largura e altura. Com os dois olhos, passamos a ter noção da terceira dimensão, a profundidade.


Cor dos Olhos

A cor dos olhos é uma característica poligênica e é determinada pelo tipo e quantidade de pigmentos na íris do olho. Os humanos e os animais têm muitas variações fenotípicas na cor dos olhos. Nos olhos humanos, essas variações de cores são atribuída a diversos rácios de melanina produzido por melanócitos na íris. O colorido brilhante dos olhos de muitas espécies de aves estão em grande parte determinados por outros pigmentos, como pteridinas, purinas, e carotenóides.


Cores dos olhos humanos.



Heterocromia sectorial.


Heterocromia.
Anatomia
Esclerótica


A esclerótica, juntamente com a córnea, constitui a membrana mais externa do olho, a membrana fibrosa ou externa. A esclerótica constitui os 5/6 posteriores desta membrana e tem uma superfície externa, lisa e branca, que possui as inserções tendinosas dos músculos motores do olho, e apresenta vários orifícios, nomeadamente, posteriores, da zona equatorial e anteriores. Quanto aos orifícios posteriores, encontramos na parte mais interna do olho, o orifício do nervo ótico (que possui, anteriormente, a lâmina crivada, através da qual passam os feixes do nervo ótico e da artéria central da retina) e orifícios em redor da lâmina crivada, que rodeiam o orifício do nervo ótico e que são para as veias e artérias ciliares curtas e longas posteriores e para os nervos ciliares. Na zona equatorial da membrana existem 4 orifícios à mesma distância uns dos outros e que são atravessados pelas veias vorticosas. Em relação aos orifícios anteriores, são mais pequenos e situam-se em torno da córnea, dando passagem aos vasos ciliares anteriores. A esclerótica está unida à Coroideia (da membrana músculo-vascular) através de uma lâmina de tecido celular laxo rica em pigmentos, a Lâmina Fusca, o que confere à superfície interna da esclerótica uma cor acastanhada. A esclerótica continua-se, anteriormente, com a córnea, designando-se esta região de Limbo Esclero-Corneano (é uma zona talhada em bisel atrás da qual se encontra o Canal de Schlemmm ou Seio Venoso da Esclerótica, que recolhe o humor aquoso da câmara anterior e o envia para a corrente sanguínea através das veias ciliar anterior).
 
Coroideia
A coroideia faz parte da membrana músculo-vascular, tal como o corpo ciliar e a íris. A coroideia representa os 2/3 posteriores da referida membrana e situa-se entre a esclerótica e a retina, sendo essencialmente constituída por vasos. Apresenta duas superfícies, uma externa (castanha e que está aplicada na face interna da esclerótica através da lâmina fusca, de vasos e nervos) e interna (lisa e negra e que está relacionada com a retina, sem aderir a ela). A coroideia é perfurada pelo orifício do nervo ótico, que faz a continuação do orifício posterior da esclerótica. Alguns feixes de tecido conjuntivo das camadas mais superficiais da coroideia penetram nas fibras do nervo ótico e constituem o plano mais anterior da lâmina crivada. O limite anterior da coroideia é uma linha circular e sinuosa, a Ora Serrata, onde a coroideia se continua com o Corpo Ciliar.

Retina
A última membrana da parede do olho a abordar é a retina, a mais interna das três e a qual recobre toda a face interna da membrana músculo-vascular. Esta divide-se em duas partes, anterior e posterior, pois ao nível da ora serrata apresenta uma mudança brusca de espessura. A parte anterior, ou retina ciliar, recobre a face posterior da íris, e faces ântero e póstero-internas do corpo ciliar. A parte posterior, ou retina propriamente dita, é uma membrana sensorial, fina, transparente e rosada e tem uma face externa, aplicada mas não aderente à coroideia, e uma face interna, também relacionada mas não aderente ao corpo vítreo. Na face interna da retina distinguem-se duas zonas: a papila (ligeiramente à frente do orifício do nervo óptico), que constitui o ponto de convergência das fibras óticas da retina que se unem para formar o nervo óptico, constituindo o ponto em que o nervo e artéria central da retina penetram na retina; e a fóvea central ou mácula, que é uma depressão localizada no polo posterior do olho.

Corpo Vítreo
Preenche todo o espaço da cavidade ocular atrás do cristalino (câmara vítrea). Na sua porção anterior tem uma depressão, a fossa pattelaris, devido à convexidade da face posterior do cristalino. Em volta do cristalino relaciona-se com o corpo ciliar e, posteriormente, adere debilmente à superfície interna da retina. O corpo vítreo é constituído por uma membrana, a membrana hialoideia, e por uma massa gelatinosa, o humor vítreo.

Humor VítreoO humor vítreo é atravessado por um canal, o canal hialoideu, de Stilling ou de Cloquet, que vai do polo posterior do cristalino até à papila, dando passagem à artéria hialoideia, ramo da artéria central da retina, que nutre a rede vascular pericristalina durante o desenvolvimento fetal do cristalino e que, posteriormente, atrofia.

Membrana HialoideiaA membrana hialoideia envolve o humor vítreo e forma-se devido à condensação das suas primeiras camadas (mais periféricas).
Vascularização e inervação da membrana fibrosa

Córnea:
Artérias, Veias e Linfáticos: é avascular, sendo nutrida pelo humor aquoso da câmara anterior do olho.
Nervos: nervos ciliares (provenientes do nervo nasal).

Esclerótica:
Artérias: artérias ciliares curtas posteriores e artérias ciliares anteriores.
Veias: anteriormente, veias ciliares anteriores, e, posteriormente, veias coroideias, que acabam por confluir para as veias vorticosas.
Linfáticos: não tem.
Nervos: nervos ciliares (provenientes do nervo nasal).
Vascularização e inervação do músculo-vascular

Artérias: Duas artérias ciliares longas (ramos da oftálmica). Estas atravessam a esclerótica, uma interna e outra externa ao nervo ótico, e dirigem-se para a frente, entre a esclerótica e a coroideia, até ao bordo periférico da íris. Aí, cada uma delas vai originar um ramo ascendente e um ramo descendente, que se anastomosam com o do lado oposto e formam o grande círculo arterial da íris. Por sua vez, o grande círculo emite ramos irídios para a pupila (onde formam o pequeno círculo arterial da íris), ramos ciliares para o corpo ciliar e ramos coroideus recorrentes (que se anastomosam com vasos coroideus ao nível da ora serrata). Artérias ciliares anteriores (ramos das artérias musculares da artéria oftálmica), que atravessam a esclerótica próximo da íris e lançam-se no grande círculo arterial da íris.

Veias: À exceção de algumas vénulas dos músculos ciliares que drenam para as veias ciliares anteriores, todas as outras drenam para as veias coroideias, que vão originar quatro troncos venosos (dois superiores e dois inferiores), que constituem as veias vorticosas e que, por fim, atravessam a esclerótica e lançam-se nas veias oftálmicas. Linfáticos: Não existem, a linfa circula nas lacunas pericelulares e perivasculares. Nervos: A inervação provém do gânglio oftálmico e dos nervos ciliares (do nervo nasal).

Vascularização e inervação da retina
Artérias: Artéria central da retina (ramo da artéria oftálmica), que entra no globo ocular seguindo o eixo do nervo ótico, passa na papila e dá dois ramos, um ascendente e um descendente, que se ramificam chegando até à ora serrata. Veias: São satélites das artérias, reunindo-se para formar a veia central da retina.

Anexos do globo ocular
A visão é constituída pelo globo ocular e seus anexos (músculos extrínsecos do olho, aponevrose de Tenon, pálpebras, conjuntiva, aparelho lacrimal). A cavidade orbitária tem sete músculos destinados a mover o globo ocular e a pálpebra superior: elevador da pálpebra superior, reto superior, reto inferior, reto interno, reto externo, grande oblíquo e pequeno oblíquo.

Elevador da pálpebra superior
Este músculo encontra-se abaixo da abobada orbitária e acima do músculo reto superior. Estende-se desde o vértice da cavidade orbitária até à pálpebra superior. Insere-se posteriormente no periósteo orbitário, acima do canal ótico, e anteriormente em toda a largura da pálpebra superior e sobre o rebordo orbitário. Na pálpebra existem: inserções cutâneas (através de fibras que se fixam na pele da pálpebra superior) e inserções tarsais (que se fixam na metade inferior da face anterior do tarso palpebral). No rebordo orbitário forma dois feixes: feixe orbitário interno, que se insere na porção superior da crista lácrimo-ungueal do únguis e o feixe orbitário externo, que se insere na parte externa da órbita, junto à sutura fronto-malar. Os feixes orbitários são reforçados por feixes aponevróticos que constituem o arco tendinoso do elevador da pálpebra superior e limitam a ação do músculo. A sua ação é movimentar a pálpebra superior para cima e para trás. 


Inervação: III par – Motor Ocular Comum
Músculos retos
Todos estes músculos têm a inserção posterior em comum e estendem-se desde o vértice da cavidade orbitária até ao hemisfério anterior do globo ocular. Inserem-se posteriormente, na porção interna da fenda esfenoidal e no tubérculo infraóptico, pelo tendão de Zinn. Este tendão forma quatro fitas, que constituem as quatro inserções tendinosas: súpero-interna; súpero-externa; ínfero-interna; ínfero-externa. Cada fita está entre os dois músculos que lhe dão o nome e cada músculo nasce da união das duas fitas que o separam dos músculos vizinhos. A fita súpero-interna tem um orifício para a passagem do nervo ótico e da artéria oftálmica – anel do nervo óptico. A fita súpero-externa tem um orifício por onde passam o nervo nasal, nervo motoro ocular comum, nervo motor ocular externo e raiz simpática do gânglio oftálmico. Daqui, os músculos dirigem-se para a frente, seguindo a parede orbitária correspondente, sendo que as inserções anteriores dos músculos são feitas na esclerótica. A distância de inserção do músculo à córnea vai aumentando do reto interno para o reto superior, sendo, respetivamente, 5, 6, 7 e 8 mm. Os músculos retos são inervados pelo III par craniano (motor ocular comum), exceto o reto externo que é enervado pelo VI par (motor ocular externo). E a sua ação é mover o globo ocular para dentro (reto interno), para fora (reto externo), para cima e para dentro (reto superior) e para baixo e para dentro (reto inferior).

Músculo Grande Oblíquo
Estende-se deste o vértice da cavidade orbitária até à porção póstero-externa do globo ocular. Insere-se posteriormente acima do orifício ótico, mas internamente em relação à inserção do elevador da pálpebra superior. Daqui dirige-se para frente, ao longo do ângulo súpero-interno da cavidade orbitária e acima do recto interno. Junto ao rebordo orbitário continua-se por um tendão que passa na Roldana de Reflexão do Grande Oblíquo, que é um anel fibro-cartilagíneo na fosseta troclear. Ao sair do anel, dirige-se para fora, para baixo e para trás, passa por baixo do reto superior, para se inserir na porção súpero-externa do hemisfério posterior do globo ocular A sua ação é mover o globo ocular para baixo e para fora. É inervado pelo IV par craniano (patético ou troclear)

Pequeno Oblíquo

É o único que não tem origem no vértice da cavidade orbitária, e encontra-se enrolado sobre a porção ínfero-externa do globo ocular. Insere-se inferiormente no pavimento orbitário, externamente ao orifício superior do canal nasal. Depois dirige-se para trás e para fora (passando por baixo do reto inferior), para se inserir na porção ínfero-externa do hemisfério posterior do globo ocular, ao nível da esclerótica, sendo que esta inserção está coberta pelo reto externo. É inervado pelo III par craniano (motor ocular comum).

O globo ocular não se desloca verdadeiramente dentro da cavidade orbitária, uma vez que se encontra “amarrado” pelas asas da Cápsula de Tenon. Ele gira sobre si próprio, no Espaço de Tenon, em torno de três eixos que se cruzam no centro do globo: Eixo vertical, eixo transversal e eixo ântero-posterior. Por sua vez, estes eixos delimitam 3 planos: plano horizontal (inclui os eixos transversal e ântero-posterior), plano vertical (inclui os eixos vertical e transversal) e plano ântero-posterior (inclui os eixos vertical e ântero-posterior). Os movimentos oculares são classificados consoante o deslocamento da pupila e podem ser: elevação/abaixamento (pupila para cima/baixo, respetivamente), abdução/adução (pupila para fora/dentro, respetivamente) e rotação interna/externa (bordo superior da pupila para baixo e para cima/baixo e para fora, respetivamente). A ação de cada um dos músculos é determinada pela sua linha de ação (linha que une a sua inserção fixa à sua inserção na esclerótica) em relação a estes 3 eixos de rotação. Os músculos reto interno e reto externo situam-se no plano horizontal, sendo, por isso, só cruzados pelo eixo vertical, logo só podem realizar uma ação, que corresponde à rotação do olho em torno do seu eixo vertical e a sua associação permite olhar horizontalmente no espaço. Os restantes músculos têm uma ação mais complexa, devido ao facto da sua linha de ação cruzar os 3 eixos (vai permitir que os movimentos ocorram em torno de todos os eixos).


Músculos Acções
Recto Superior Elevação; Adução; Rotação Interna
Recto Inferior Abaixamento; Adução; Rotação Externa
Recto Interno Adução
Recto Externo Abdução
Grande Oblíquo Abaixamento; Abdução; Rotação Interna
Pequeno Oblíquo Elevação; Abdução; Rotação Externa

Sistema aponevrótico
É constituído por três porções: Cápsula de Tenon, bainhas musculares e expansões aponevróticas. 
Cápsula de Tenon - recobre toda a porção esclerotical do globo ocular (é branca, resistente). Apresenta duas faces e dois orifícios: 

Face externa/orbitária – convexa e relaciona-se, posteriormente, com tecido adiposo da cavidade orbitária e anteriormente com conjuntiva esclerotical. Face interna/axial/esclerotical – côncava e lisa e está separada da esclerótica pelo Espaço de Tenon. Orifício Posterior – a cápsula une-se ao rebordo do orifício do nervo ótico (ligando-se à esclerótica e à própria bainha do nervo). Também se une à esclerótica, em redor dos orifícios onde penetram os vasos ciliares posteriores e os nervos ciliares. Orifício Anterior – ao nível da córnea, onde termina a cápsula. 
Bainhas Musculares - Cada um dos 7 músculos está envolvido por uma bainha aponevrótica que se funde com a cápsula de Tenon na vizinhança da inserção do músculo na esclerótica, daí que a cápsula de Tenon se possa considerar como um prolongamento das bainhas musculares. Apesar de serem aderentes aos músculos, até à proximidade da cápsula, depois separam-se destes por uma fina camada de tecido laxo, que tem continuidade com o do espaço epiescleral. 

As bainhas musculares e os músculos retos, constituem, em conjunto, um cone musculofascial, cuja base anterior corresponde à cápsula de Tenon. 
Expansões aponevróticas - Prolongamentos que unem a cápsula de Tenon e às bainhas musculares à conjuntiva, pálpebras e rebordo orbitário, podendo-se classificar em: 

Expansões conjuntivais – Vão das bainhas musculares dos músculos rectos ao fundo-de-saco da conjuntiva e à conjuntiva palpebral. Expansão palpebral do reto inferior – Membrana que se liga à face inferior da bainha muscular do reto inferior, terminando no bordo inferior do tarso palpebral. Responsável pelo abaixamento da pálpebra inferior quando o reto inferior movimenta o olho para baixo. Expansões orbitárias – São cinco e ligam o rebordo orbitário aos músculos retos e pequeno oblíquo. As expansões orbitárias do reto externo e do reto interno são mais desenvolvidas designando-se, respetivamente, de asa externa (da face externa da bainha do reto externo até ao rebordo da parede externa da órbita) e asa interna (da face interna da bainha do reto interno e termina na crista lacrimal ungueal). E.O. reto superior – face superior da bainha do reto superior e divide-se em três porções: média (face inferior da bainha do elevador da pálpebra superior, sendo que a sua função consiste em levantar a pálpebra superior quando o reto superior se contrai para girar o globo ocular); Lateral interna; Lateral externa E.O. reto inferior – Tem origem na face inferior da bainha do reto inferior. Apresenta três porções: média (termina na bainha do pequeno oblíquo); Lateral interna (une-se ao bordo inferior da asa interna); Lateral externa (une-se ao bordo inferior da asa externa) E.O. pequeno oblíquo – bordo anterior da bainha do pequeno oblíquo até à parede orbitária FUNÇÃO DAS EXPANSÕES: Limitar o movimento dos músculos que fixam ao rebordo orbitário e impedir a compressão do globo ocular pelo músculo que se contrai.

Intestino

O que é, funções, intestino delgado, grosso, jejuno íleo, digestão


 
Introdução
O intestino faz parte do sistema digestório e é através dele que ocorrem as absorções dos nutrientes e da água.

Conhecendo o intestino
Ele está divido em duas partes: delgado e grosso. No primeiro é onde ocorre a absorção da grande maioria dos nutrientes. No segundo, ocorre a absorção da maior parte da água utilizada durante o processo de digestão.

A absorção da água pelo intestino grosso é a responsável pela consistência firme das fezes. A falta desta consistência é conhecida como diarréia, e, esta, pode ocorrer por fatores como viroses, desarranjos na digestão, etc.

Nestes casos, é importante que o indivíduo se mantenha bem hidratado, ingerindo bastante água e procure orientação médica.

O intestino delgado apresenta as seguintes camadas: mucosa, submucosa, muscular e serosa. A primeira camada (mucosa) apresenta musculatura do tipo lisa e nela ocorre a secreção de enzimas e sucos.

Esta camada muscular lisa da mucosa é dividida em duodeno, jejuno e íleo. O duodeno é sua primeira porção, ela vai do piloro ao jejuno. É nesta região que é trabalhado o bolo alimentar pela ação do suco entérico.

No jejuno e no íleo que ocorre a absorção dos nutrientes, que passam para a corrente sanguínea e fígado para serem distribuídos para todo o organismo.

Dica:
Uma alimentação rica em fibras faz o intestino funcionar bem.

Você sabia?
A Gastroenterologia é a especialidade médica que estuda e trata dos problemas relacionados ao sistema digestório, entre eles o intestino.

Materia Original de: Toda biologia